Metropolitano de Lisboa

Hoje estava a iniciar a minha viagem sossegada e sem percalços no metro (sossegada e descansada, devido a que estando o metro cheio não corremos o risco de cair, temos sempre um corpo para amparar o nosso), e deparo-me com uma informação, afixada na parede, emitida pelos digníssimos “comandantes” do metropolitano.
Por momentos tive um espasmo cerebral, ao imaginar que a digníssima administração do metropolitano estaria a pedir desculpa por ter sistematicamente as escadas rolantes paradas, por avaria ou por opção própria.
Ou que estariam a informar que iam repor, pelo menos, o numero de metropolitanos a circular nas horas de ponte.
Ou que estariam a pedir desculpa pelo preço que cobram pelas viagens. Que iriam diminuir os privilégios que os membros da administração possuem, assim como o valor dos juros que pagam à banca, para aproximarem o preço das viagens de valores mais justos e em conformidade com os vencimentos que os Portugueses usufruem.
Por fim, disse para mim…
Na… eles estão a agradecer aos trabalhadores do metro pelo excelente trabalho que fazem, e que só devido a isso é que o metropolitano funciona e presta um verdadeiro serviço público, exceptuando o preço que custa, aos trabalhadores portugueses, cada viagem e o passe mensal.
De repente o meu espasmo cerebral terminou, e li a informação…
Informação que pedia desculpa aos utentes pelas sucessivas greves que têm afectado o serviço; Greves essas, segundo estes “patrões”, que eram culpa dos sindicatos que com estes actos queriam destruir o excelente serviço que prestam (deviam estar-se a referir ao trabalho dos administradores, pois se querem roubar os trabalhadores é porque eles não merecem o que ganham).
Enfim…
Estes Senhores deviam explicar aos utentes deste serviço público,
porque é que temos idosos, pessoas grávidas e pessoas com crianças ao colo, a subirem dezenas de degraus…
porque temos das viagens mais caras, na Europa…
porque pagam em juros, por volta do triplo do que pagam em salários aos trabalhadores do metro…
porque as sucessivas administrações, nomeadas pelos sucessivos governos PS, PSD e CDS têm gasto milhões em obras, que poderiam ser feitas com milhares…
porque…
Trabalhadores do metropolitano,
por mim podem e devem continuar a vossa luta contra os roubos que vos têm feito, e que querem continuar a fazer…
Por mim,
não me importo de andar a pé, em solidariedade com a vossa luta.
Não vou gastar parte do meu salário, diário, para apanhar um táxi… quando chegar cheguei…
Não liguem àqueles revoltados que falam, falam… e estão sempre dispostos a servirem de capachos aos patrões… que não têm “disponibilidade financeira para fazerem greves”, mas que têm para gastar em táxis para irem trabalhar…
Não liguem…
Pois estamos, como estamos… porque muitos destes apologistas da “critica burrica” votaram e colaboraram para estes sucessivos governos que têm roubado os nossos direitos…
Muitos destes andam de fato e gravata, mas os filhos passam fome por terem pais cobardes, que abdicaram de lutar pelos seus direitos…
Boa luta…
que eu vou entretendo-me a passear na nossa Lisboa, enquanto dirijo-me para o trabalho.
Anúncios

O trabalhador não se importa com o salário, quer é trabalhar…

Cada vez mais ouvem-se os patrões, quando questionados “amigavelmente” sobre os baixos vencimentos dos trabalhadores, a dizerem que o povo quer é trabalhar e que não estão importados com os aumentos dos salários, nomeadamente com o salário mínimo nacional.
Entre muitos, ainda não há muito tempo (uns dias antes das ultimas eleições legislativas), o Sr. Belmiro Azevedo que estava “escondido” foi a um jornal nacional dizer isto mesmo. Ou seja, resumindo, disse: venha lá a troika ajudar a explorar, ainda mais, os trabalhadores porque é preciso que o valor do trabalho seja reduzido. Quem trabalha não precisa de ganhar mais do que o suficiente para não morrer à fome, e para poder ir trabalhar.
O povo fez-lhe a vontade…
Recentemente um Sr. que intitularam presidente da confederação dos proprietários da industria hoteleira, após ter sido recebido pelo novo ministro da economia e do trabalho (subjugado aos interesses dos lucros dos patrões)… veio com esta mesma conversa.
Que o salário mínimo nacional não podia ser aumentado, e que este não era o problema dos trabalhadores, o problema dos trabalhadores era terem trabalho.
Resumindo, trabalho… trabalho… mas sem direitos.
Estes pensamentos levam-nos a lembrar tempos passados, tempos da escravatura; Tempos em que havia muito trabalho, mas não existiam direitos.
Estamos quase lá, e já naquele tempo haviam escravos que adoravam ser escravos.
Este Sr. Presidente que fez-me lembrar “os vendedores da cobra” disse qualquer coisa como, reduzindo os direitos dos trabalhadores, aumenta o número de postos de trabalho.
Deve ser… os patrões que tudo fazem para aumentar os horários de trabalho, através de diversos artefactos obrigam os trabalhadores a trabalharem muitas horas após o seu horário de trabalho (trabalho não remunerado, é claro); Agora é que iam contratar mais trabalhadores.
O Sr. Presidente da dita confederação (não sei se também representa os donos das bancadas de artesanato, e etc…) devia era estar preocupado com a fuga aos impostos que existe na hotelaria, mas claro ainda existe gente honesta.
Declaram ordenados mínimos dos seus trabalhadores; a maioria dos patrões nunca recebe mais do que € 500,00; as empresas é que pagam as casas, os carros e as creches dos filhos destes ditos proprietários; cobram o IVA ao cliente mas depois o declarado é bastante inferior; Escravizam muitos trabalhadores em situação ilegal, enfim… tudo bons rapazes, e este Sr. representa estes bons rapazes, logo é melhor do que eles.
Quanto ao Sr. Belmiro Azevedo é “umas mãos largas”;
Tem um jornal que dá, sucessivamente, muitos prejuízos… mas continua como se nada fosse, pois se acabasse com o jornal deixava de ter um órgão para influenciar o povo naquilo que lhe interessa, e se gasta é porque tem…
O problema é ter à custa da exploração;
Os seus centros de distribuição têm ao seu serviço, maioritariamente, trabalhadores precários que têm muito trabalho mas os direitos ficaram para o patrão, e para os seus vassalos que o substituem na tarefa de exploração destes trabalhadores.
Vassalos que cumprem criteriosamente as suas delegações de competência, e ainda inventam mais uns trabalhinhos forçados para estes trabalhadores, para quem até o direito de ir à casa de banho tornou-se numa regalia.
Cuidado, não engravidem… isto de engravidar não está em consonância com os interesses nacionais do patrão. Isto é coisa de burguês…
Os trabalhadores destes centros de distribuição chegam a trabalhar mais de doze horas por dia, sendo que têm que estar ao dispor do patrão ainda mais horas do que as “trabalhadas”.
Os horários são feitos de acordo com o interesse nacional do patrão, havendo interrupções nesses horários de longas horas, nas quais o trabalhador ou trabalha (de borla, é claro) ou tem que fazer tempo para regressar ao trabalho após umas horas de pausa, mas à sua própria conta.
Deste modo o trabalhador não está disponível para a sua família, nem para si próprio durante longas horas… vá lá ainda têm a possibilidade de irem dormir a casa.
Se estes trabalhadores barafustam são “convidados” a irem procurar emprego, pois se eles não estão dispostos a serem explorados existem muitos outros que estão.
Por estes e muitos outros motivos, é que estes Srs que cometem ilegalidades aguardaram e sempre obtiveram a ajuda dos sucessivos governos, para legalizarem as ilegalidades cometidas por eles.
Veja-se o caso dos recibos verdes…
Recibos que são utilizados na maioria dos casos por trabalhadores que prestam um trabalho regular e não são independentes. Que estão submetidos a um suposto horário de trabalho, estando dependentes hierarquicamente das chefias.
Estes trabalhadores obrigatoriamente deviam ser do quadro dessa empresa, mas não…
Quem perde? O trabalhador e o estado… eu escrevi o estado e não o governo.
Os trabalhadores precários e a recibos verdes são óptimos “chouriços” para os patrões triturarem.
Pois têm que trabalhar, trabalhar, e não contestar…
Têm que fazer tudo o que lhe mandam, não interessa a função. Se o patrão precisar, ele têm que lhe ir levar o cafezinho, limpar a secretária, levar os filhos do patrão à escola, dormir no trabalho se for preciso.
Quanto a doenças, é melhor não as ter senão nem dinheiro para os medicamentos vai ter, e quando regressar ao trabalho pode já estar ocupado.
Se o trabalhador não aceitar este pacto de interesse nacional do patrão, vai-se embora no dia seguinte. O que não falta é quem “queira trabalhar”.
Quanto ao trabalhador é lixo, serviu para os fins e agora o patrão deita fora.
Isto é ilegal…. Mas eles gostam muito da legalidade e por isso estão a aguardar. Mas atenção, não têm tempo a perder e já vão mais à frente.
A Constituição incomoda muito o interesse nacional do patrão.
Existem trabalhadores que dizem que é pratica comum, por isso têm que aceitar… logo a lei deve mudar.
Esses trabalhadores se gostam de “levar na tromba” é com eles, mas “deixem em paz” a lei para aqueles que não se vergam e procuram justiça…
Que raio de mania dos “cobardes” quererem que todos os outros sejam cobardes…

Manipulação de consciências, instituída democraticamente…

A situação actual do Pais, vem sendo construída ano após ano…

A actualidade é a consequência dos caminhos escolhidos, nessa construção…

Ao longo dos tempos o poder económico (agiotas) tem dado preferência aos investimentos na especulação financeira, em vez de investir na produção nacional…

Para atingirem o caminho actual, os agiotas servem-se da classe política amigável para tais intentos (PS, PSD e CDS); Políticos que têm como únicos objectivos sobreviverem no antro em que podem usufruir benesses e condições para se manterem à frente dos destinos dos Portugueses.

Estes políticos, que são pessoas e não uma entidade sem rosto, são convidados para a mesa dos agiotas onde recebem a doutrina que devem implementar; Doutrina que pode ser implementada de diversas formas, desde que os objectivos sejam alcançados.

Por isso é que o PS, PSD e CDS com diálogos diferentes, e com apócrifos confrontos entre eles (diferem no modo e não na essência), chegam sempre ao mesmo objectivo… objectivo que favorece o poder económico dos agiotas e rouba o direito de viver aos trabalhadores, impondo-lhes que se limitem a sobreviverem.

Esta situação numa sociedade de verdadeira democracia já tinha sido alterada…

Se numa verdadeira democracia é o partido que possui mais votos, obtidos de pessoas conscientes, que ganha e que governa o Pais… o povo há muito tempo que tinha expulsado a corja, da condução dos destinos deste País.

A classe social (trabalhadores) que sofre com as actuais políticas é constituída pela larga maioria do Povo Português, e a classe social (poder económico) que é em muito beneficiada com estas políticas é constituída por meia de dúzia de indivíduos, enquanto uns milhares ganham umas migalhas devido à vassalagem que prestam a este poder económico instituído.

Então porque é que os servidores desta politica (PS, PSD e CDS) económica e social ganham sistematicamente o mandato para prosseguirem com este tipo de políticas?

O poder económico não é ingénuo, ao mesmo tempo que sustenta a sua representatividade política, para impor democraticamente as politicas que sustentam a sua acumulação de capital, mandatam os seus rostos para bloquearem a consciencialização dos trabalhadores.

Este bloqueio é feito de diversas formas…

Mas a mais eficaz é através da comunicação social comunicação social, que é detida por meia dúzia de “ilusionistas”, na qual fazem da notícia e da opinião um meio de desinformação.

As notícias que podem fazer interagirem racionalmente (telespectador/ouvinte/ leitor), fazendo juízo dos valores que estão em causa, e consequentemente formularem opiniões objectivas sobre algo que questiona o sistema implementado… não passam, ou passam sorrateiramente fazendo vincar uma opinião pseudo jornalística que baralha o raciocínio objectivo do que está em questão.

Quanto aos “opinadores”, mais conhecidos como comentaristas, são escolhidos a “dedo”… estes opinadores são ilustres pessoas que estão comprometidos com os poderes instituídos, e que dependem dos agiotas, instituíram o sistema implementado.

Estes opinadores, também, jogam o jogo da confusão, pois uns dizem mal do PS, outros do PSD/CDS… mas o poder económico não se chateia de que digam mal, desde que defendam os objectivos definidos e os quais querem alcançar.

O poder económico usa estes políticos e depois substitui-os por novas caras, mas obedientes… enquanto o poder dos agiotas mantém-se…

Por este motivo é que estes opinadores além dos objectivos, têm outra coisa em comum que é a proveniência dos seus rendimentos…

Com muitas raras excepções, raríssimas aliás, nos debates e espaços de opinião estão pessoas com consciência de esquerda. Não estou a referir-me ao socialismo amarelo…

Existe um exemplo gritante, no que diz respeito à comunicação social:

Penso que todos se lembram da manifestação “a rasca”, esta manifestação foi alvo de notícias durante semanas, antes e depois. Todas as televisões deram em directo esta manifestação, nomeadamente a RTPN, SICN e TVI24.

Podíamos perguntar, e então?

Esta manifestação não apresentava reivindicações concretas, não apontava responsáveis na crise e nos problemas dos trabalhadores e suas famílias… resumindo, era tudo” obra e graça do espírito santo”.

Logo podiam dar destaque a este movimento, pois não punha em causa os rostos e os ideólogos desta politica social e económica. Assim sendo, dava para distrair o Zé povinho e não magoava ninguém…

Na semana seguinte houve uma manifestação dos trabalhadores, manifestação essa que quase não se ouviu falar, nem antes nem depois…

Podíamos perguntar porquê?

Porque havia reivindicações concretas e com a identificação dos responsáveis… Havia propostas para demonstrar que podem existir políticas diferentes, politicas que não pediam sacrifícios aos já sacrificados, mas pediam que os responsáveis por esta crise sejam responsáveis no pagamento da mesma.

É devido a estas situações e outras que os trabalhadores andam baralhados, e em vez de elegerem quem defende os seus direitos, elegem os “vendedores da banha da cobra” que diariamente providenciam pelo roubo dos direitos dos trabalhadores, para ajudarem os seus “patrões” a acumularem, cada vez mais, riqueza… em troca de uns tachos, e “exposição” social…

Agora cabe aos trabalhadores acordarem, pensar e reflectir… para que deixem de ser a moeda de troca, na acumulação de riqueza dos agiotas…

Ou o cérebro é muito pequenino, ou está estragado…

Não consigo perceber como existe quem critique o Sócrates e depois diga que vai votar no PSD/CDS….

Mas o que Sócrates fez que o PSD/CDS não tivessem feito?

Aliás, a única diferença que existe entre o PS e o PSD/CDS é que o PS afirma-se de esquerda, mas aplica políticas de direita, o PSD/CDS afirma-se de direita, e sempre aplicou politicas de direita…

E o que são politicas de direita?

Dar cabo da prestação de serviços de saúde públicos, com o pretexto de que se gasta muito; Depois entrega-se a saúde aos privados, e o Estado passa a pagar as despesas e os lucros dos privados; Enquanto isso, quem não tiver dinheiro, pode ir morrer para longe…

Privatizar, privatizar o que dá lucro ao estado… vende-se os anéis. Depois, o estado perde essas receitas, e ainda dá benesses às empresas para terem lucros, sobre os seus lucros… e os trabalhadores que paguem…

Despedir, despedir os trabalhadores de empresas públicas e de empresas com capitais públicos, com o pretexto de que se gasta muito dinheiro com pessoal… depois essas empresas contratam outras empresas para fazerem o trabalho que era feito pelos trabalhadores despedidos.
As empresas gastam muito mais com estes serviços, mas os papagaios andam todos contentes a dizerem que diminuíram a despesa com o pessoal.
Esquecem-se de dizer é que aumentou, e muito, a despesa com fornecedores….
Mas que interessa isso, estes fornecedores até são os amigalhaços que têm empresas, e que exploram trabalhadores para terem muitos lucros.
Até fazem o favor de contratarem os trabalhadores que anteriormente tinham sido despedidos.

Estes são alguns exemplos das políticas de direita que têm levado o nosso país para o poço…
Mas quem no seu perfeito juízo pode pactuar com politicas que trazem a miséria aos Portugueses?

Mas será que os trabalhadores não percebem a diferença entre políticas de direita e de esquerda…

Já estou farto de ouvir dizer que não existe diferença entre a direita e a esquerda.

Existe e muita…

A diferença consiste nos valores. Mas também é verdade que existe uma dita esquerda, que de esquerda são só as intenções, quanto ao resto resume-se a politicas de direita.

A isto chama-se socialismo de intenções… e a sede fica no Largo do Rato.

Resumidamente a diferença, é:

Se queremos uma sociedade mais justa, obrigatoriamente percorremos um caminho que nos leva a uma política de esquerda, que assenta numa forma de vida na qual nos preocupamos com quem tem menos do que nós.

Essa preocupação, vai incidir num estado verdadeiramente social no qual deverá existir infra-estruturas que estão habilitadas a “proteger os mais fracos” que hoje serão uns e amanhã poderemos ser nós.


E para existir este tipo de sociedade, a riqueza produzida em determinado pais deve ser distribuída o mais equitativamente possível. Devendo a riqueza produzida servir para evoluir os meios e mecanismos agregados a um determinado estado, que somos todos nós.


O trabalho deverá ter um justo valor, que proporcione ao trabalhador viver a sua vida e ter tempo para a sua família. Resumindo, não deverá ser necessário ter dois e três trabalhos, para sobreviver.


Mas se eu tiver uma postura na qual o que importa é o estatuto social, bons carros, e dinheiro no banco; Obrigatoriamente vou percorrer um caminho que leva a uma política de direita, na qual não me importo com o que o outro tem para comer.

Quero trabalhadores para produzirem a baixo custo, desvalorizando a força do trabalho para eu obter lucros e dinheiro para poder comprar bons carros e boas viagens…

Enquanto isso,
defendo o pagamento de um ordenado mínimo ao trabalhador que não chega para pagar o infantário, a casa, a comida… mas isso não me importa, o que me importa é que esse trabalhador apresente-se no dia seguinte para trabalhar. Caso esse trabalhador adoeça, quero ter a facilidade de o poder despedir e não ter encargos com ele, para de seguida contratar outro, pronto a servir-me a baixo custo.

Ao mesmo tempo, como não sou estúpido, pago bem a meia dúzia de trabalhadores (que se julgam importantes, porque pensam ser importantes) para fazerem o trabalho “sujo”.


Mas se existem apoios sociais, como consigo contratar um trabalhador a preço de escravo?


Não consigo, por isso é preciso acabar com os apoios sociais para ter esses escravos disponíveis para serem escravizados, senão quiserem morrem à fome.


Quanto aos que se julgam importantes, quando estiver farto deles dou-lhes uma recompensa e despacho-os; Arranjando outros servidores, para que os escravos pensem que a gora vai ser melhor, pois os “maus” foram-se embora.


Mas como preciso de enganar a minha consciência, faço caridade dando uns trocos a umas instituições e alimentando uns pobrezinhos uma vez por ano. Depois deduzo essas quantias no IRC.


Neste ponto existe um problema, pequeno, todos os anos preciso de encontrar novos pobrezinhos para dar comida, porque os do ano anterior, entretanto, morreram a fome…


Isto é político de direita…


Uns defendem esta política, porque ganham com a exploração…

Outros defendem este tipo de política, porque estão na expectativa de um dia também ganhar com essa exploração…

Não, não sou invejoso…

Fico triste ver o povo português eleger pessoas que em nada contribuem para o desenvolvimento, sustentado, de Portugal…
Fico triste ver o povo português a votar em partidos que têm contribuído, ao longo destes trinta anos, para aprofundar a miséria em que vive o povo português…
Fico triste ouvir o povo a dizer “estes políticos são uns vigaristas…”, em vez de dizer que determinados partidos só têm políticos vigaristas…
Fico triste ouvir o povo dizer “isto é uma vergonha, estamos num pais governado por vigaristas… mas eu não votei neles, aliás não votei em ninguém…
(como se o não exercício do dever de votar, fosse benéfico para o pais… enquanto na verdade é benéfico para quem ganha, fazendo com que o sistema mantenha-se em prol de quem mais possui)
Fico triste ouvir que não vale a pena votar, pois o voto não muda nada
Se os trabalhadores votassem em quem defende, verdadeiramente, os seus direito… em vez de votarem naqueles que a comunicação social dá mais “tempo de antena”, em vez de votarem naqueles porque gostam de votar em quem ganha – como se de um clube tratasse -; Isto mudava, pois os trabalhadores que são prejudicados nos seus direitos e NO SEU DIREITO DE VIVER são mais de 90% dos cidadãos, logo deveria ganhar quem verdadeiramente pensa e trabalha em prol destes.
Fico triste ver os “capitalistas” andarem a dizer que isto está mal porque têm menos LUCROS, não é devido a terem prejuízos, enquanto isso muitos trabalhadores, com trabalho passam fome.
Fico triste ver os trabalhadores votarem naqueles que só pensam em lucrar com a pobreza dos outros e que a fim de manterem o poder, tudo fazem… mesmo que seja escandaloso.
A VERGONHA É ALGO QUE, TAMBÉM, DEIXOU DE HAVER se houvesse, pelo menos vergonha, não haveriam nomeações destas, que servem para proteger? quem? O quê?

Ver publicação no Diário da República

Ai está o novo governo, que limita-se a ser mais do mesmo…

Quanto ao Ministério do Trabalho e Solidariedade Social a escolha de Maria Helena André é mais uma prenda ao trabalho da UGT.
Primeiro foi o torres couto e a oferenda dos tachos que recebeu por parte do PS por tudo o que fez para prejudicar os trabalhadores.
Agora, após o branqueamento e a ajuda na imposição do actual código de trabalho feito em prol da exploração de quem trabalha, imposição essa que teve na UGT uma grande ajuda, enormíssima ajuda… lá arranjaram uma prenda para alguém com responsabilidades da política praticada pela UGT, em prol dos mecanismos de apoio à escravatura do trabalho.
Não percebo porque dizem que esta ministra é do meio, do sindicalismo… pois o meio sindical é aquele que está junto dos trabalhadores, ao lado destes na luta dos seus direitos… e não o sindicalismo de secretária e de tácticas para ajudar os patrões a obterem cada vez mais lucros, em detrimento de quem trabalha e mais necessita.

Sr. António Costa… blá… blá…

12695_000pbpza
Hoje estava a ouvir a TSF (para quem não sabe é uma estação de rádio) e a determinada altura aparece uma reportagem com o Sr. Dr. António Costa, candidato à Câmara de Lisboa;
Andava ele pela baixa, a dar beijinhos e abraços, e de repente uma Srª. disse-lhe:

”… tem que acabar com estes carros estacionados no passeio, é uma vergonha…”

e o Sr. António Costa respondeu-lhe:

“…tem razão, é preciso colocar pinos em cima destes passeios, vê é por isso que eu defendo a polícia municipal, precisamos de mais elementos…”

Pois é o homem tem razão, é preciso mais policia municipal para fazerem o que todos dias fazem à tardinha no terreiro do paço, em que estão imensos carros parados, os motoristas a conversarem ou foram beber um cafezito… carros esses parados na zona da paragem do autocarro, em cima das passadeiras, ao lado das passadeiras a tirarem a visualização dos peões e dos automobilistas, podendo serem provocadores de acidentes, nomeadamente, atropelamentos…
Enquanto isso estão nessa zona muitos policias municipais, de braços cruzados, a olharem para todas aquelas irregularidades, que podem ser muito perigosas para os peões que querem atravessar na passadeira, e nada fazem contra isso, se for preciso ainda ajudam o carro a sair do dito “estacionamento” mandando parar os carros que circulam… pois o Dr. do ministério… que entretanto chegou está com pressa para chegar à casa…
Mas estes Senhores podem tudo, e ainda têm prioridade, pois são os privilegiados da nossa sociedade… enquanto isso estes polícias que são diariamente achincalhados pelas leis e actos destes Senhores, ainda lhe estendem o tapete vermelho; Mas que se há-de fazer, o nosso povo é mesmo assim, subserviente daqueles que usam o poder para achincalharem o povo português.
Acho muito bem que não se estacione em cima do passeio, o que não acho bem é haver benefícios para alguns, que ainda por cima com as suas atitudes prejudicam muitos outros.