O GRANDE LIDER…

Por vezes quando vou, descansadamente, nos transportes públicos fico estupefacto com o que as pessoas dizem, e parto do principio que pensam…
Pessoas que elogiam à “boca cheia” outras pessoas que impõem politicas em benefício de quem explora estes mesmos “iluminados”, que proferem os elogios em causa.
É motivo para dizer… pai perdoa-lhes as suas capacidades limitadas que são fruto dos teus erros…
Para tristeza minha, existem trabalhadores que trabalham para sobreviver, e que pouco mais têm do que o suficiente para saciarem a sua fome… que contribuem através dos seus actos e palavras para a continuação da exploração de quem só possui a sua força de trabalho para sobreviver…
São pessoas que já não sabem o que é viver, limitam-se a sobreviver… e no dia que tiverem oportunidade para viver morrem, porque já não sabem viver sem sofrer…

Anúncios

Os novos pobres

A crise quando chega toca a todos, e eu já não sei se hei-de ter pena dos milhares de homens e mulheres que, por esse país, fora, todos os dias ficam sem emprego se dos infelizes gestores do BCP que, por iniciativa de alguns accionistas, poderão vir a ter o seu ganha-pão drasticamente reduzido em 50%, ou mesmo a ver extintos os por assim dizer postos de trabalho.

A triste notícia vem no DN: o presidente do Conselho Geral e de Supervisão daquele banco arrisca-se a deixar de cobrar 90 000 euros por cada reunião a que se digna estar presente e passar a receber só 45 000; por sua vez, o vice-presidente, que ganha 290 000 anuais, poderá ter que contentar-se com 145 000; e os nove vogais verão o seu salário de miséria (150 000 euros, fora as alcavalas) reduzido a 25% do do presidente. Ou seja, o BCP prepara-se para gerar 11 novos pobres, atirando ainda para o desemprego com um número indeterminado de membros do seu distinto Conselho Superior.

Aconselha a prudência que o Banco Alimentar contra a Fome comece a reforçar os “stocks” de caviar e Veuve Clicquot, pois esta gente está habituada a comer bem.

Jornal de Noticias de 10.03.2009

http://jn.sapo.pt

Afinal eram outros

Jornal de Notícias
2009-12-23

A notícia vinha no JN e o título era prometedor: “MP acusa 59 por crimes de escravidão”. De repente, a minha confiança na Justiça trepou por aí acima até ao deslumbramento. À segunda linha, porém, a frustração foi total. Afinal tratava-se de angariação de trabalhadores portugueses para quintas em Espanha – onde, pelos vistos, eram tratados como os “angariados do “Amistad” – e não de 59 patrões de hipermercados, que são boa e respeitável gente, que se limita a aplicar o novo Código do Trabalho com o louvável objectivo de “manter a estabilidade das empresas e os postos de trabalho” e não, como poderia pensar-se, por ganância. É assim que, em nome da ética empresarial e da responsabilidade social das empresas, pretendem aumentar o horário de trabalho dos seus trabalhadores de 40 para 60 horas por semana (qualquer coisa como 10 ou 12 horas por dia, conforme tenham um ou dois dias de folga), a troco de uns mais que generosos 470 euros por mês, isto é, quase 2 euros por hora. E não é que os trabalhadores, mais dados a coisas comezinhas como comer e vestir do que a questões éticas, não querem aceitar?

"Mostrar serviço"

Opinião – Jornal de Notícias

Nos idos da juventude apresentei–me a um concurso para “assistente de programas literários de 2.ª classe” da Emissora Nacional (EN). Acho que a expressão “2.ª classe” se referia a “assistente” e não a “programas literários”, mas nunca o pude confirmar pois, tendo sido aprovado, não apareci na tomada de posse. Uma das provas do concurso consistia em resumir um discurso de Salazar.
Na altura, não era coisa surpreendente. Além disso, Salazar (supondo que era ele quem escrevia os seus discursos), sem ser um mestre da língua como Manuel de Andrade, exprimia-se em honesto português, sem os “hádem” de políticos e juristas de hoje. Surpreendente (mas que sei eu?) é, meio século depois, o IEFP (organismo público como era então a EN) impor um discurso de Sócrates como material de estudo para um concurso para técnico principal.
Sócrates é naturalmente alheio ao caso, como Salazar o foi decerto quando do meu concurso para a EN. No tempo do fascismo, o culto da personalidade fazia parte das regras do jogo. Hoje faz parte das regras de outro jogo: o dos “boys” do PS ansiosos por “mostrar serviço” ao líder.