Conflito israelo-palestiniano

Um exemplo engenhoso do discurso e da política ocorreu recentemente na Assembleia das Nações Unidas e fez a comunidade mundial sorrir.


Um representante de Palestina começou: “Antes de começar a minha intervenção, quero dizer-lhes algo sobre Moisés:
– Quando partiu a rocha e inundou tudo de água, pensou, que era uma oportunidade boa de tomar um banho! Tirou a roupa, colocou-a ao lado sobre a rocha e entrou na água. Quando saiu e quis vestir-se, a roupa tinha desaparecido. Um Israelita tinha-a roubado.”
O representante Israelita saltou furioso e disse, “Que é que você está a dizer? Os Israelitas não estavam lá nessa altura.”
O representante Palestiniano sorriu e disse: “E agora que se tornou tudo claro, vou começar o meu discurso.”
Anúncios

PALESTINA

A terra prometida

Imagine que todos os círculos pretos são colónias ou colonatos espanhóis que construíram aldeias dentro de Portugal tendo expulso os portugueses de lá pela força das armas Imagine que às autoridades portuguesas apenas é permitido controlar as zonas circunscritas a vermelho e que fora destas manda o exército espanhol.

Imagine que se quer deslocar de uma zona vermelha para outra zona vermelha e tem de pedir autorização nos diversos postos do exército espanhol colocados dentro de Portugal para defender os colonatos espanhóis…

COMO SE SENTIRIA?
COMO REAGIRIA?

Mas imagine que alguns portugueses cansados de tanto domínio espanhol e de miséria, lutam como podem, com pedras, paus, fisgas, com espingardas, com foguetes artesanais, armas totalmente desproporcionadas para um exército de ocupação impiedoso dos mais poderosos do mundo.

Imagine ainda que o exército espanhol, manda cercar algumas zonas vermelhas e até cidades como Braga, Évora, etc, por uma muralha de betão. Como é que os portugueses se poderiam movimentar?

Imagine bem que a muralha não foi construída ao longo da fronteira Portugal/Espanha, eventualmente para defender os espanhóis de ataques portugueses.

Foi construída dentro de Portugal para proteger os colonatos ou aldeias espanholas que ocupam o nosso país.

Agora termine a imaginação e encare a realidade.
Em vez de Portugal é a Palestina e em vez de Espanha é Israel.

Como é que tudo isto começou?

1945, fim da 2ª guerra mundial os nazis tinham feito um holocausto que assassinou milhões de judeus.
Os políticos do Ocidente entenderam que era altura de arranjar uma terra para eles.
Mas não escolheram as terras deles.
Os judeus espalhados pelo mundo e com força política e económica nos EUA e em Inglaterra exigiram a Palestina.

Porquê?

Porque era a terra do Rei David, a Terra Prometida dos Hebreus…reconstruir o reino de Israel como vem no Velho Testamento e nos velhos livros dos hebreus.

Mas isso foi há mais de 3.000 anos!!!

Em 1945, a Palestina era habitada por milhões de palestinos e Jerusalém também uma cidade santa para todos os muçulmanos.
A Palestina era governada pelos britânicos.
Em 1948, o estado judeu com o nome de Israel declarou a sua independência com o apoio do Ocidente. É um estado fundamentalista porque a Religião Judaica é lei de Estado.

Foi preciso desalojar à força militar milhões de palestinos para Israel ocupar um território muito maior que aquele onde habitavam judeus em 1945.
Quatro milhões e meio de palestinos continuam vivendo nos campos de refugiados que a ONU estabeleceu em termos provisórios em 1948.
Os palestinos que habitam os acampamentos da Faixa de Gaza, Cisjordânia, Síria, Líbano e Jordânia não querem abandonar de nenhuma forma a condição de refugiados.
É a única prova com que contam para demonstrar que há sessenta anos tiveram que deixar as suas terras de origem pela força.
Isto gerou ódios de gerações e extremismos.
Isto deu origem a várias guerras com os palestinos incluindo países árabes, normalmente ganhas por Israel totalmente apoiada e suportada financeira e militarmente pelos EUA.
Israel passou a funcionar na prática como uma base militar gigante dos EUA de 27 mil Km2.

Em 1967 fez-se a paz e tendo a ONU estabelecido as fronteiras, que Israel e os Palestinos aceitaram.
Só que Israel não parou. Continuou a ocupar mais terra da Palestina e a cercar os seus territórios.

Israel diz que tem direito às terras do Rei David.

Mas… porquê? se passaram mais de 3.000 anos !!!
Por este princípio não há parte do planeta que pudesse ter sossego.
2.000 anos passaram desde o apogeu do Império Romano.
Têm a Itália e Roma direito à Península Ibérica pela mesma razão?
Israel agora é um país mas tem de aceitar a existência da Palestina como país livre e independente dentro das fronteiras já aceites por ambos e pela ONU (1967).

Ora tal não se verificou por parte de Israel.
Vejam na foto em cima, o muro construído por Israel para impedir palestinos muçulmanos e cristãos de circular livremente. Sim, pois se pensa que só os muçulmanos estão na história está errado.

Isto afecta também todos os árabes cristãos na zona, que lado a lado com os muçulmanos estão presos dentro destes muros sem poderem sair sem autorização, sem terem acesso a nada.
Gostaria de viver dentro destes muros? Ah.. Olhe, sabe que este muro na verdade cerca uma cidade chamada Bethlehem?
Sabe o que é? É a cidade onde nasceu Jesus Cristo,… sim é Belém onde vieram os Reis Magos para a tal gruta… sim a igreja da Natividade de Cristo está aqui dentro. É uma cidade de 30 mil habitantes, tipo Évora, imaginem Évora totalmente rodeada por muros de betão…o que fazia você se vivesse lá dentro?

Ódios geram ódios!
Extremismos geram extremismos!
É Israel o agressor porque se recusa a abandonar as terras ocupadas das fronteiras estabelecidas pela ONU.
É Israel que com este procedimento provoca o fundamentalismo árabe e actos terroristas condenáveis de extremistas e aos quais responde sempre com outros actos terroristas e genocídio.

1948, ao expulsarem pela força das armas, milhões de palestinos civis das suas terras, foi o PRIMEIRO ACTO TERRORISTA E GENOCIDA da região.

Poderios militares

Palestinos
Apenas alguns milhares de guardas e militantes da OLP e do Hamas Espingardas AK-47, explosivos e foguetes artesanais para lançar explosivos

Israel
Um exército sofisticado de várias centenas de milhar de homens que com os reservistas abarca quase toda a população activa.
A 2ª maior frota aérea de aviões norte-americanos do mundo com centenas de F16, F15, F4 Phantom, Helicópteros Apaches, Cobra, Blackhawk, tanques, artilharia e mísseis de longo alcance, mais de 200 bombas atómicas.

Porquê o movimento extremista Hamas quebrou a trégua de 6 meses que tinha feito com Israel?

Porque nessa trégua, Israel se tinha comprometido a permitir a entrada de combustíveis, alimentos, medicamentos e fornecimento de água potável ao território cercado de Gaza.
Ora Israel não permitiu isso, incluindo aos hospitais.

Porque a ONU não envia capacetes azuis para a Palestina para interposição nas fronteiras de Israel com a Palestina???

Porque Israel se recusa a abandonar as terras ocupadas da Palestina e não quer ser fiscalizado.

Os EUA vetam isso na ONU

Albert Einstein, prémio Nobel da Física e cientista sem par, homem de origem judia numa carta publicada pela «Newsweek Times» em Dezembro de 1948, três anos apenas de ter terminado o holocausto
«o Herout, partido de Begin (que veio a ser primeiro-ministro de Israel), é um reflexo dos aspectos mais destrutivos para a nossa época e para o estado de Israel, recentemente criado.
É um partido político que se assemelha muito aos partidos nazis e fascistas pela organização, filosofia e pela atracção que exerce sobre as massas».

«Nós controlamos a América!»
Ariel Sharon, primeiro ministro israelita no Knesset (parlamento israelita), Tel Aviv, 3 de Outubro de 2001.

« De todas as vezes que nós fazemos qualquer coisa, tu (dirigindo-se a Shimon Peres, líder do partido trabalhista) dizes-nos que a América vai fazer isto e vai fazer aquilo… quero-te dizer muito claramente, não te preocupes com a pressão americana em Israel.
Nós, o povo judeu, controlamos a América e os americanos sabem-no bem.»

Até quando???

Dois povos, dois países

Terras pertencentes a israelitas e a palestinianos. O primeiro mapa mostra a ténue infiltração judaica no território do então Mandato Britânico, em 1946. O segundo mapa revela o «Plano de Partilha» da ONU, que serviria de base para a construção de dois estados na Palestina Britânica – Israel e Palestina.
O terceiro mapa mostra o Estado de Israel após a Guerra de 1948, que resultou da ocupação por Israel de 78 por cento da Palestina do Mandato Britânico, ficando a Faixa de Gaza sob jurisdição egípcia enquanto a Cisjordânia integrava a Jordânia.
Com a Guerra dos Seis Dias, em 1967, a Palestina seria toda ocupada pelos israelitas.
Finalmente, o quarto mapa revela o que ficará para os palestinianos, com a construção do muro, dos colonatos, das estradas e dos postos de controlo. Dos 22 por cento devidos (mapa posterior a 1949 e anterior a Junho de 1967 – o terceiro mapa) aos palestinianos, eis o que se afigura que venha a ser o «Estado palestiniano».

A verde, as terras árabes; a branco, as terras israelitas

http://cppc.blogs.sapo.pt/11439.html
http://www.bbc.co.uk/portuguese/especial/2001/meast_maps/7.shtml

Talvez em nome dos valores cristãos e da civilização ocidental…

A coragem, a dignidade, a humanidade, a justiça e a honra do terrorismo israelo-americano.

O que nos vale é que os MNE da UE vão reunir, cumprir a formalidade de emitir um comunicado. Nele criticarão ambas as partes em conflito, apelarão ao cessar-fogo enquanto continuarão a aprofundar relações com a entidade israelita, essa colónia colectiva do Ocidente em terras alheias. Talvez o nosso Luís Amado tenha a solução …- a dissolução do chamado Estado de Israel, racista, prosélito e genocida, detentor não oficial de bombas atómicas. Etc…