VIVER PARA TRABALHAR, OU TRABALHAR PARA VIVER?

Convém que os trabalhadores Portugueses tenham a noção do que está acontecendo, e o que está em causa; Infelizmente muito se fala na comunicação social mas pouco se esclarece, isto porque no dia em que o povo esteja esclarecido os interesses instalados acabam.
Por isto e outros motivos é que cada vez mais desinveste-se na educação, na verdadeira educação. Não basta ter um 12º ano, ou uma licenciatura, quando ter estes diplomas equivale a ter o conhecimento e a sabedoria de alguém que não lê, não interpreta, não pensa… Simplesmente sabe usar uma máquina calculadora.
Infelizmente é estes tipos de mediocridade que vão sendo incentivados e implementados no nosso pais; Há os cursos das “novas oportunidades”, obrigatoriedade do 12º ano… no entanto o que é verdadeiramente importante, esquece-se… melhor, alguém faz-se de esquecido…
O que é preciso é ensinar a raciocinar, e não a debitar…

Pegando nas eleições europeias;
Existe muito em jogo, os trabalhadores têm muito a perder, se não escolherem as pessoas certas para defender os seus direitos quer como pessoas, quer como trabalhadores…

É PRECISO PARAR PARA REFLECTIR, QUEREMOS TRABALHAR PARA VIVER? OU QUEREMOS VIVER PARA TRABALHAR?

Isto enquanto meia dúzia de senhores enriquece, e fazem dos trabalhadores meros peões de um jogo.

Antigamente havia um tipo de escravidão, agora existe outra;
Antigamente o patrão/dono, tinha que ter senzalas e dar de comer aos escravos; Agora poupam nas senzalas e pagam somente o “suficiente” para que o trabalhadores não morram à fome e venham no outro dia trabalhar….

É preciso tomar atenção a quem está com quem trabalha…
Intervenção Ilda Figueiredo, em 20.04.2009, na RTP