Cantiga do Desemprego – FAUSTO

Fumo um cigarro deitado no mês de Janeiro.
Fecho a cortina da vida, espreguiço em Fevereiro.
E procuro trabalho nesta esperança de Março.
Já me farta tanto Abril e aquilo que não faço.
Espreito por um funil a promessa de Maio,
porque esperar o prometido, nessa já não caio.
Queimo os dias de Junho no sol quente de Julho.
Esfrego as mãos de contente num sorriso de entulho.
Para teu grande desgosto, janto contigo em silêncio
e lentamente esquecido, digo-te adeus em Agosto.
Meu Setembro perdido numa esquina que eu roço.
E penso em Outubro o menos que posso.
Mas quando sinto a verdade daquilo que cansa,
nunca houve vontade do tempo de andança.
E sinto força em Novembro, juro luta em Dezembro.
E sinto força em Novembro, juro luta em Dezembro.

Song of unemployment

I smoke a cigarette on bed in January.
I close the curtain of life, I yawn in February.
And I’m looking for work in the hope of March
April I was tired and I tired not what I do.
I observe through a funnel the promise of May,
because I no longer expect what was promised, that no longer come.
I burn the sunny days of June, in July.
I rub my hands with a smile happy to rubble.
For your great pain, I take dinner with you in silence
and slowly forgotten, I will say goodbye in August.
My September lost in a corner that I grazed.
And I think in October as little as possible.
But when I feel the truth of what I am tired
There has never been the intention of a time wandering.
And I’m Feeling forces in November, I swear to fight in December.
And I’m Feeling forces in November, I swear to fight in December.