O caminho para a 3ª Guerra Mundial

“Que tipo de psicopata está disposto a provocar intencionalmente um conflito global que levaria a milhões de mortes só para proteger o valor de uma moeda de papel? Quem puxa os cordelinhos? Muitas vezes, a melhor resposta para perguntas como esta encontra-se colocando outra pergunta: Quem se beneficia?”

//

Anúncios

Sonho americano? Conheça 10 fatos chocantes sobre os EUA

Maior população prisional do mundo, pobreza infantil acima dos 22%, nenhum subsídio de maternidade, graves carências no acesso à saúde… bem-vindos ao “paraíso americano”

Os EUA costumam se revelar ao mundo como os grandes defensores das liberdades, como a nação com a melhor qualidade de vida do planeta e que nada é melhor do que o “american way of life” (o modo de vida americano). A realidade, no entanto, é outra. Os EUA também têm telhado de vidro como a maioria dos países, a diferença é que as informações são constantemente camufladas. Confira abaixo 10 fatos pouco abordados pela mídia ocidental.

1. Maior população prisional do mundo

Elevando-se desde os anos 80, a surreal taxa de encarceramento dos EUA é um negócio e um instrumento de controle social: à medida que o negócio das prisões privadas alastra-se como uma gangrena, uma nova categoria de milionários consolida seu poder político. Os donos destas carcerárias são também, na prática, donos de escravos, que trabalham nas fábricas do interior das prisões por salários inferiores a 50 cents por hora. Este trabalho escravo é tão competitivo, que muitos municípios hoje sobrevivem financeiramente graças às suas próprias prisões, aprovando simultaneamente leis que vulgarizam sentenças de até 15 anos de prisão por crimes menores como roubar chicletes. O alvo destas leis draconianas são os mais pobres, mas, sobretudo, os negros, que representando apenas 13% da população norte-americana, compõem 40% da população prisional do país.

2. 22% das crianças americanas vive abaixo do limiar da pobreza.

 Homeless woman on Wall Street

Contraste social nos EUA está longe de ser minimamente aceitável.

Calcula-se que cerca de 16 milhões de crianças norte-americanas vivam sem “segurança alimentar”, ou seja, em famílias sem capacidade econômica para satisfazer os requisitos nutricionais mínimos de uma dieta saudável. As estatísticas provam que estas crianças têm piores resultados escolares, aceitam piores empregos, não vão à universidade e têm uma maior probabilidade de, quando adultos, serem presos.

3. Entre 1890 e 2012, os EUA invadiram ou bombardearam 149 países.

O número de países nos quais os EUA intervieram militarmente é maior do que aqueles em que ainda não o fizeram. Números conservadores apontam para mais de oito milhões de mortes causadas pelo país só no século XX. Por trás desta lista, escondem-se centenas de outras operações secretas, golpes de Estado e patrocínio de ditadores e grupos terroristas. Segundo Obama, recipiente do Nobel da Paz, os EUA conduzem neste momente mais de 70 operações militares secretas em vários países do mundo.

Leia também

O mesmo presidente criou o maior orçamento militar norte-americano desde a Segunda Guerra Mundial, superando de longe George W. Bush.

4. Os EUA são o único país da OCDE que não oferece qualquer tipo de subsídio de maternidade.

Embora estes números variem de acordo com o Estado e dependam dos contratos redigidos por cada empresa, é prática corrente que as mulheres norte-americanas não tenham direito a nenhum dia pago antes ou depois de dar à luz. Em muitos casos, não existe sequer a possibilidade de tirar baixa sem vencimento. Quase todos os países do mundo oferecem entre 12 e 50 semanas pagas em licença maternidade. Neste aspecto, os Estados Unidos fazem companhia à Papua Nova Guiné e à Suazilândia.

5. 125 norte-americanos morrem todos os dias por não poderem pagar qualquer tipo de plano de saúde.

Se não tiver seguro de saúde (como 50 milhões de norte-americanos não têm), então há boas razões para temes ainda mais a ambulância e os cuidados de saúde que o governo presta. Viagens de ambulância custam em média o equivalente a 1300 reais (€ 413,38) e a estadia num hospital público mais de 500 reais (€ 158,99) por noite. Para a maioria das operações cirúrgicas (que chegam à casa das dezenas de milhar), é bom que possa pagar um seguro de saúde privado. Caso contrário, a América é a terra das oportunidades e, como o nome indica, terá a oportunidade de se endividar e também a oportunidade de ficar em casa, torcendo para não morrer.

6. Os EUA foram fundados sobre o genocídio de 10 milhões de nativos. Só entre 1940 e 1980, 40% de todas as mulheres em reservas índias foram esterilizadas contra sua vontade pelo governo norte-americano.

Esqueçam a história do Dia de Ação de Graças com índios e colonos partilhando placidamente o mesmo peru em torno da mesma mesa. A História dos Estados Unidos começa no programa de erradicação dos índios. Tendo em conta as restrições atuais à imigração ilegal, ninguém diria que os fundadores deste país foram eles mesmos imigrantes ilegais, que vieram sem o consentimento dos que já viviam na América. Durante dois séculos, os índios foram perseguidos e assassinados, despojados de tudo e empurrados para minúsculas reservas de terras inférteis, em lixeiras nucleares e sobre solos contaminados. Em pleno século XX, os EUA iniciaram um plano de esterilização forçada de mulheres índias, pedindo-lhes para colocar uma cruz num formulário escrito em idioma que não compreendiam, ameaçando-as com o corte de subsídios caso não consentissem ou, simplesmente, recusando-lhes acesso a maternidades e hospitais. Mas que ninguém se espante, os EUA foram o primeiro país do mundo oficializar esterilizações forçadas como parte de um programa de eugenia, inicialmente contra pessoas portadoras de deficiência e, mais tarde, contra negros e índios.

7. Todos os imigrantes são obrigados a jurarem não ser comunistas para poder viver nos EUA.

Além de ter que jurar não ser um agente secreto nem um criminoso de guerra nazi, vão lhe perguntar se é, ou alguma vez foi membro do Partido Comunista, se tem simpatias anarquista ou se defende intelectualmente alguma organização considerada terrorista. Se responder que sim a qualquer destas perguntas, será automaticamente negado o direito de viver e trabalhar nos EUA por “prova de fraco carácter moral”.

8. O preço médio de uma licenciatura numa universidade pública é 80 mil dólares.

O ensino superior é uma autêntica mina de ouro para os banqueiros. Virtualmente, todos os estudantes têm dívidas astronômicas, que, acrescidas de juros, levarão, em média, 15 anos para pagar. Durante esse período, os alunos tornam-se servos dos bancos e das suas dívidas, sendo muitas vezes forçados a contrair novos empréstimos para pagar os antigos e assim sobreviver. O sistema de servidão completa-se com a liberdade dos bancos de vender e comprar as dívidas dos alunos a seu bel prazer, sem o consentimento ou sequer o conhecimento do devedor. Num dia, deve-se dinheiro a um banco com uma taxa de juros e, no dia seguinte, pode-se dever dinheiro a um banco diferente com nova e mais elevada taxa de juro. Entre 1999 e 2012, a dívida total dos estudantes norte-americanos cresceu à marca dos 1,5 trilhões de dólares, elevando-se assustadores 500%.

9. Os EUA são o país do mundo com mais armas: para cada dez norte-americanos, há nove armas de fogo.

Não é de se espantar que os EUA levem o primeiro lugar na lista dos países com a maior coleção de armas. O que surpreende é a comparação com outras partes do mundo: no restante do planeta, há uma arma para cada dez pessoas. Nos Estados Unidos, nove para cada dez. Nos EUA podemos encontrar 5% de todas as pessoas do mundo e 30% de todas as armas, algo em torno de 275 milhões. Esta estatística tende a se elevar, já que os norte-americanos compram mais de metade de todas as armas fabricadas no mundo.

10. Há mais norte-americanos que acreditam no Diabo do que os que acreditam em Darwin.

A maioria dos norte-americanos são céticos. Pelo menos no que toca à teoria da evolução, já que apenas 40% dos norte-americanos acreditam nela. Já a existência de Satanás e do inferno soa perfeitamente plausível a mais de 60% dos norte-americanos. Esta radicalidade religiosa explica as “conversas diárias” do ex-presidente Bush com Deus e mesmo os comentários do ex-pré-candidato republicano Rick Santorum, que acusou acadêmicos norte-americanos de serem controlados por Satã.

Por Antônio Santos. Artigo originalmente publicado em Diário Liberdade / Edição: Pragmatismo Político com Blog do Mouzar

Obama tem razão. Por uma vez


Os EUA não são a Grécia nem Portugal, diz ele! Realmente.

Nos EUA 1/5 dos negros estão na cadeia.

Nos EUA 50% da população não tem assistência médica e 25% nem consegue tratar-se em qualquer hospital

Nos EUA a dívida pública atingiu um valor impossível de ser pago em várias gerações e já ultrapassou as centenas de milhares de US$ por família.

Nos EUA condenam-se a prisão perpétua crianças de 12 anos, por roubo de uma bicicleta.

Nos EUA 6% da população sobrevive com uma refeição diária de comida enlatada …para animais…

A Escola Pública é completamente inútil e caminha para a extinção.

Nos EUA há mais de 450 organizações policiais e o sistema judicial não é independente do poder executivo: É nomeado por ele!

Nos EUA as duas maiores indústrias são o armamento e a pornografia.

Nos EUA vende-se mais produtos para animais do que para bébés…

Nos EUA 1% da população controla e recebe cerca de 90% do PIB nacional

Nos EUA a produção de carne e de ovos utiliza legalmente promotores químicos de crescimento.

Nos EUA não há ordenado mínimo e o trabalho indiferenciado é pago a 4 euros/hora…

Os EUA estão envolvidos em dezenas de conflitos militares de caracter sujo e para levar a cabo golpes de estado favoráveis aos seus interesses e aos de Israel.

Os EUA angariam em todo o mundo os melhores cérebros para a sua indústria de armamento e obrigam os seus “aliados” a comprá-las…

Os EUA são o maior mercado mundial de drogas pesadas e um dos maiores produtores de anfetaminas e de outros químicos dopantes…

Os EUA imprimem papel moeda e através de tratados com as suas colónias árabes transformaram o US$ no meio de pagamento internacional em substituição do ouro…

Obama tem toda a razão: Nada disto de passa em Portugal. Estamos muito atrasados e não sei se algum dia lá chegaremos…

Só um detalhe: os EUA estão completamente falidos e mais de 10% da população já vive em acampamentos sem saneamento ou serviços públicos básicos…

Nós não somos os EUA! Thanks God!


Bandeiras Falsas

OperaçãoNorthwoods: Como os EUA Planearam Cometer Ataques de Falsa Bandeira Para Justificar uma Guerra contraCuba

O texto abaixo é um artigo publicado pela ABC News em 2001 de como o governo dos EUA considerou a criação de ataques de falsa bandeiras como o planeamento de actos de terrorismo para matar cidadãos americanos para criar propaganda para justificar guerras para invadir nações indefesas.

Para quem nunca ouviu o termo, ataques de falsa bandeira são ataques clandestinos onde um país comete ou apoia actos de terrorismo contra si próprio, e em seguida culpa outro país ou organização, de forma a justificar uma determinada agenda, como invasões de outros países ou a passagem de leis aumentando o poder do estado.

Coincidência ou não, este artigo foi publicado meses antes do maior ataque de falsa bandeira de todos os tempos, os ataques “terroristas” de 11 de setembro contra as torres gémeas do World Trade Center. Outro ponto que me chamou atenção foi que o artigo foi publicado do dia 1º de maio, uma data importantíssima para os adeptos do ocultismo.

Os métodos descritos na Operação Northwoods não foram os únicos, o que foi único foi a recusa do presidente Kennedy em levar adiante abominável operação. Leia abaixo o artigo:

ABC News
By David Ruppe Nova Iorque, 1º de Maio de 2001
Militares dos EUA queriam provocar guerra com Cuba

No início de 1960, líderes militares do alto escalão dos EUA elaboraram planos para matar pessoas inocentes e cometer actos de terrorismo em cidades dos Estados Unidos para criar apoio público para uma guerra contra Cuba.

Sob o codinome de Operação Northwoods, os planos teriam incluído o possível assassinato de imigrantes cubanos, afundamento de barcos de refugiados
cubanos em alto mar, sequestro de aviões, explosão de um navio dos EUA, e até mesmo orquestrar ataques terroristas violentos em cidades dos EUA.

Os planos foram desenvolvidos como forma de enganar o público americano e a comunidade internacional para apoiar uma guerra para derrubar o então líder novo de Cuba comunista, Fidel Castro.

A Junta de Chefes de Estado Maior dos EUA até mesmo contemplou causar baixas militares contra o próprio EUA, escrevendo: “Nós podíamos explodir um navio dos EUA na Baía de Guantanamo e culpar Cuba” e “as listas de baixas nos jornais dos EUA iriam causar uma onda de indignação nacional”.

Os pormenores dos planos são descritos em Body of Secrets (Doubleday), um novo livro de James Bamford, um repórter investigativo da história da maior agência de espionagem dos Estados Unidos a maior, a Agência de Segurança Nacional. No entanto, os planos da Operação Northwoods não estavam ligados à agência, ele observa.

Os planos tiveram a aprovação por escrito de todos os membros da Junta de Chefes de Estado Maior dos EUA (Joint Chiefs of Staff) e foram apresentados ao secretário de defesa do presidente Kennedy, Robert McNamara, em Março de 1962. Mas aparentemente, foram rejeitados pela liderança civil e ficaram em segredo até recentemente.

“Esses eram os documentos do Junta de Chefes de Estado Maior dos EUA. A razão destes documentos terem sido mantidos em segredo por tanto tempo é que o Estado-Maior Conjunto nunca quis liberá-los é porque eles eram tão embaraçosos”, disse Bamford.

“O razão de uma democracia é ter líderes respondendo à vontade pública, e aqui é o reverso completo, os militares tentando enganar o povo americano a emtrar em uma guerra que eles queriam, mas que ninguém mais queria.”

Rumo à Guerra

Os documentos mostram que a “Junta de Chefes de Estado Maior elaborou e aprovou os planos para o que pode ser o plano mais corrupto jamais criado pelo governo dos EUA”, escreve Bamford.

A Junta de Chefes de Estado Maior dos EUA propôs até mesmo a utilização da possível morte do astronauta John Glenn durante a primeira tentativa de colocar um norte-americano em órbita como um falso pretexto para a guerra com Cuba, como mostram os documentos.

Caso o foguete explodisse e matasse Glenn, escreveram eles, “o objectivo seria fornecer a prova irrevogável … de que a culpa é dos comunistas de Cuba”.

Os planos foram motivados por um desejo intenso entre os chefes militares para depor Fidel Castro, que assumiu o poder em 1959 para se tornar o primeiro dirigente comunista do hemisfério ocidental – a somente 90 milhas da costa dos EUA.

A invasão anterior apoiada pela CIA à Baia dos Porcos, por exilados cubanos, tinha sido um fracasso desastroso, na qual os militares não foram autorizados a prestar auxílio bélico. Os líderes militares agora queriam ter uma nova chance.

“A coisa toda foi muito bizarra”, disse Bamford, salientando que seriam necessários o apoio do público e da comunidade internacional para uma invasão, mas aparentemente, nem o público norte-americano, nem o público cubano, queria ver as tropas dos EUA mobilizadas para expulsar Castro.

Refletindo isso, o plano dos EUA pedia que se instituisse controle militar prolongado, e não democrático, sobre a ilha após a invasão.

“Isso é o que seríamos os libertando”, disse Bamford. “A única maneira teríamos conseguido ter sucesso seria fazendo exactamente o que os russos estavam fazendo em todo o mundo, impondo um governo pela tirania, basicamente o que nós estávamos acusando o próprio Castro de fazer”.

Passando dos Limites

O Estado-Maior Conjunto na época era chefiado pelo general do Exército nomeado pelo presidente Eisenhower, Lyman L. Lemnitzer, que com os planos assinados nas mãos tentou a aprovação de McNamara em 13 de Março de 1962, recomendando a Operação Northwoods para ser executado pelos militares.

Não está claro se os planos da Junta de Chefes de Estado Maior foram rejeitados por McNamara na reunião. Mas três dias depois, o presidente Kennedy conversou com Lemnitzer diretamente, e disse que não havia praticamente nenhuma possibilidade de usar força ostensiva para tomar Cuba, relata Bamford. Dentro de meses, Lemnitzer teria sido negado um outro mandato como presidente da Junta de Chefes de Estado Maior e transferidos para outro cargo.

Os planos secretos vieram em um momento em que havia desconfiança na cúpula militar sobre a sua liderança civil, com os líderes da administração Kennedy sendo vistos como liberais demais, pouco experientes e lenientes com o comunismo. Ao mesmo tempo no entanto, existiam reais preocupações da sociedade norte-americana que seus militares ultrapassassem seus limites.

Houve relatos que líderes militares dos EUA haviam encorajado os seus subordinados a votar pelos conservadores durante a eleição.

E pelo menos dois livros populares foram publicados focando em uma liderança militar de direita empurrando os limites contra a política do governo.

O Comitê de Relações Exteriores do senado americano publicou o seu próprio relatório sobre o extremismo de direita nas forças armadas, advertindo que haviam descoberto um “perigo considerável” na “educação e atividades de propaganda dos militares”. A comissão pediu ainda um exame de eventuais vínculos entre Lemnitzer e grupos de direita. Mas o Congresso não chegou a ter conhecimento sobre a Operação Northwoods, disse Bamford.

“Embora ninguém no Congresso pudesse ter conhecido na época”, escreve ele, “Lemnitzer e a cúpula militar haviam secretamente passado dos limites.”

Mesmo depois Lemnitzer ter deixado o cargo, disse Bamford, a Junta de Chefes de Estado Maior continuou a planear operações de “pretexto” pelo menos até 1963.

Uma ideia era criar uma guerra entre Cuba e outros países latino-americanos para que os Estados Unidos pudessem intervir. Outra ideia seria pagar alguém no governo de Fidel Castro para atacar as forças dos EUA na base naval de Guantánamo. Um ato que, Bamford salienta, teria sido considerado como traição. E outra seria de voar em baixa altitude aeronaves U-2 sobre Cuba, com a intenção de que fossem derrubadas e isso usado como pretexto para iniciar uma guerra.

“Havia uma real preocupação naquele momento de que os militares estivessem ficando loucos, como realmente estavam, mas eles nunca conseguiram alcançar o seu objectivo, mas não foi por falta de tentativas”, disse ele.

Depois de 40 anos

Ironicamente, os documentos vieram à luz, disse Bamford, em parte por causa do filme de Oliver Stone de 1992, “JFK”, que examinou a possibilidade de uma conspiração por trás do assassinato do presidente Kennedy.

Como o interesse público no assassinato aumentou após o lançamento do filme “JFK”, o Congresso americano aprovou uma lei destinada a aumentar o acesso da população aos registos públicos relacionados com o assassinato.

Com medo de uma investigação do Congresso, Lemnitzer tinha ordenado que todos documentos relacionados com a Baía dos Porcos fossem destruídos, disse Bamford. Mas de alguma forma, estes permaneceram.

“O mais assustador é que nada disso é divulgado até 40 anos depois”, disse Bamford.

Fontes:
ABC News: U.S. Military Wanted to Provoke War With Cuba
Quadrinhos de Mack White (de onde tirei a ilustração inicial) com a História da Operação Northwoods (em inglês)

Ajudar a Grécia…

Breve exposição e explicação do Eurodeputado Daniel Cohn-Bendit (integrado nos verdes europeus), no Parlamento Europeu, sobre a hipocrisia em que assenta a ajuda económica à Grécia.
Ajuda económica apresentada pelos líderes europeus, como sendo uma ajuda inócua de interesses paralelos, e que tendo como objectivo ajudar o Povo Grego a sair da crise.
No entanto esta ajuda, com a complacência dos mandantes Gregos é uma simples hipocrisia, que não é para ajudar o Povo Grego, mas sim, servindo-se do povo Grego para alimentar os interesses dos armamentistas.
Enquanto isso, o Povo Grego é roubado nos seus ordenados, sobrecarregados de pagamento de impostos, sofrem com a falta de emprego, passam fome…
Isto tudo para a Grécia ter dinheiro para pagar os juros do dinheiro que lhes emprestaram, com taxas de juro altíssimas, para pagarem o armamento…
Em Portugal, o mesmo também se passa… reduz-se as prestações sociais, aumenta-se os impostos, querem diminuir os ordenados… e a seguir andam a comprar armamento.
Para quê?
Para mais uma vez sermos uns bons meninos e colaborarmos com a NATO, para colaborarmos na invasão de países, matar pessoas… em defesa dos interesses de meia dúzia de Países que a pretexto do terrorismo, invadem Países para colocarem os seus vassalos à frente desses Países, para deste modo terem o caminho aberto para manipularem as mentes, roubarem os bens energéticos e fazerem os respectivos povos de vassalos.

Senhores da guerra

No decurso de uma série de acções da associação Iraq Veterans Against War (IVAW – Ex-combatentes no Iraque contra a guerra), operação intitulada “Winter Soldiers” (Soldados de Inverno), o cabo Mike Prysner conta a sua experiência no Iraque e explica como tomou consciência da natureza da guerra que o mandaram fazer.
Este vídeo foi amplamente divulgado nos EUA, entre outros pelo site do realizador Michael Moore http://www.michaelmoore.com e pelo site alternativo Common Dreams http://www.commondreams.org).
Ao longo dos anos os EUA infiltraram-se, e infiltram-se, em todos os Países em que poderão obter lucro, lucro que tem que ser obtido a qualquer custo. O petróleo, os mercados, o domínio de determinado povo, é sempre um objectivo para alcançar ganhos financeiro.
Mas não é os EUA como estado que ganham, quem ganha são meia dúzia de banqueiros e fabricantes de armas. O povo americano que possui a sua consciência atrofiada devido à doutrina emanada pelos “homens do poder” e ao controlo do pensamento que é exercido nos EUA, assim como pelo mundo fora, através dos órgãos de comunicação social e agências noticiosas, com o fim de fazer acreditar que quando “qualquer grupo” não se submete à doutrina emanada pelos senhores todos poderosos, e bastando a palavra dos senhores da guerra, esses grupos são terroristas e é preciso aniquila-los.
Mas nada disto é novo, pois Nelson Mandela durante muitos anos esteve na lista dos terroristas.