Caridade e Agiotagem contra Solidariedade Social e o Direito à Educação

educacao-publica

O jornal das 21h, da SIC Noticias, é mais um exemplo do terrorismo perpetuado pelos meios da comunicação social contra o povo português, através dos vassalos prostitutos.

Terrorismo financiado pelos donos da comunicação social, pelos “reis” do sector financeiro e dos soberanos da agiotagem que chupam o sangue aos trabalhadores.

Mário Crespo, com os seus tiques fascistóides, com a obrigação de pagar o que os seus donos por si fizeram e continuam a fazer… discursa e debita fardos de palha para os burros comerem e pedirem por mais.

Primeiro numa pseudo-entrevista com Rui Santos, responsável do PS para a área de educação??, tenta vender como é bom o “cheque para a educação”.

“Cheque” esse que mais não é do que financiar os donos de colégios, com o dinheiro do estado, e continuar/acentuar a destruição da educação publica de todos e para todos.

Um direito devido, e com qualidade, ao Povo Português. Qualidade que tem vindo a ser destruída pelos sucessivos governos PS, PSD e CDS.

Querem comparar o que é incomparável.

Querem comparar colégios que são frequentados por meninos, que:

  • Têm refeições equilibradas;
  • Recorrem a explicações (a maioria), para sanar a dúvida e o desconhecido;
  • Têm uma estabilidade social para dedicarem-se aos estudos.

Com escolas públicas em que as turmas, constituídas entre 25 e 30 alunos, não deixam que os professores dêem a atenção, devida e merecida, aos alunos (individualmente), e em que essas turmas são constituídas por:

  • Meninos, muitos meninos, que a sua primeira, e às vezes única, refeição é na escola.
  • Meninos que não têm livros, canetas, ténis,…
  • Meninos que, numa grande percentagem, são os que mais conhecimentos têm na sua casa. Os Pais por muito que queiram, não os podem ajudar e muito menos pagar a um explicador.
  • Meninos que, as vezes, já têm três ou mais horas de trabalho antes de irem para a escola…
  • Meninos, muitos meninos, que têm que se levantar várias horas, para percorrerem o caminho para a escola.
  • e muitos etc….

É assim que querem comparar, para justificarem a destruição da escola pública.

Situações e condições que foram criadas por estes que, agora, querem destruir, de vez, a escola pública….

Mas, muitos meninos têm sucesso… nas escolas públicas, e vão para a faculdade preparados para continuarem a construir o futuro deles e o nosso.

Faculdades públicas, que deixam a maioria das privadas a um canto envergonhado.

Querem comparar, com as escolas públicas que com imensas limitações… ensinam meninos com deficiências de aprendizagem.

Estes fascistóides,

Esquecem-se é de dizer o que pretendem. Que é entregar mais dinheiro publico aos privados.

Estes fascistóides,

Esquecem-se de mencionar o que deu, e está a dar, esta política nos EUA.

Onde só os meninos de bem e inteligentes têm direito a frequentar escolas, minimamente aceitáveis.

Pois, como estas escolas recebem do estado conforme o seu ranking, estas não querem estragar o seu ranking com meninos que tenham dificuldades devido ao seu meio social ou capacidade de aprendizagem.

Estes são deitados fora para as poucas escolas públicas que ainda existem, e onde as condições são idênticas aos piores bairros de lata.

Para não falar das escolas privadas, que devido ao seu desejo mercenário do lucro deixam de educar e depois quando já não conseguem esconder o descalabro do seu desensino… simplesmente, fecham e abrem falência… e os seus donos voltam a abrir outra escola para continuar a alimentar o seu desejo mercenário de lucro.

E onde a escola não dá lucro, não há escolas….

Agora, o governo não está preocupado com a despesa. A sua preocupação acaba, quando acaba o serviço público.

Pois alimentar parcerias publico privadas, agências de caridade, bancos… para eles, isso não é despesa, é investimento.

Mesmo que custe 20 vezes mais, do que fosse o serviço público a fazer… mais e melhor.

Depois desta pseudo-entrevista, veio o pseudo-frente a frente, entre Catarina Martins (BE) contra José Matos Correia (PSD) e Mário Crespo.

Aquela parte em que o José Matos Correia, “dá” uma palavra especial para os bombeiros… deu-me vómitos.

Este governo roubou quase tudo aos bombeiros (subsídios diversos, cortes nos ordenados, condições de segurança).

Depois veio a segurança social, blá.. blá… que tinham que cortar, pois estava mal.

Mas esquecem-se de dizer que andam a roubar a segurança social para dar aos patrões, para por trabalhadores a trabalhar de borla (à custa do dinheiro da segurança social), que andam a usar o dinheiro da segurança social para alimentar os vícios do sector financeiro, financiando a agiotagem, assim como, terem posto os bancários ao abrigo da segurança social enquanto os fundos de pensões ficaram na banca, para mais uma vez financia-los.

Resumindo, a despesa veio para a segurança social e o dinheiro foi comido pelos agiotas banqueiros.

E assim vai a nossa comunicação social, a alimentar os burros com palha estragada. Fazendo uso de opinadores e jornalistas que mais nada têm do que alimentar os seus donos, em troca de amendoins.

Nisto tudo safou-se a Catarina Martins, do BE e o Rui Santos, do PS. Vejam lá o mau que foi, para eu estar a afirmar que o Rui Santos, do PS, safou-se…

Quanto a mim, que fui educado no ensino público, agradeço aos professores e à escola pública. Pois se eu estivesse nos EUA, seria daqueles que tinha sido enviado para um gueto escolar.

Pois eu não fui para a escola com pedigree, foi a escola que deu-me o pedigree…

A”escola pública” ensinou-me a pensar, não tornou-me num carneiro… 

Quanto à solidariedade social, felizmente nunca precisei… mas contribuo com muito gosto.

Mas temos que acabar com os ideólogos da destruição desta, para alimentar os agiotas, para que seja o povo a ser servido.

Anúncios

Do verdadeiro prejuízo

por Fátima Inácio Gomes, em 11.06.2013
O anúncio da greve de professores às reuniões de avaliação e a um exame nacional veio pôr a nu o país que temos. Um país de faz de conta.
Fica bem, democraticamente bem, dizer que “a greve é um direito”. Mas quando os professores anunciam uma greve (a medida mais radical de contestação, que se usa quando todas as outras se esgotaram) o democrático verniz estala. Um profissional da política (daí, um dos responsáveis pelo estado do país e das contas públicas), agora emboscado no comentário televisivo, acusa os professores de desrespeitadores e de criminosos. Ministros e deputados vociferam, diariamente, nos meios de comunicação social, incendiando a opinião pública, que educam à medida da sua manipulação.
O Governo lançou uma campanha espantosa de diabolização da greve dos professores, em particular à do exame a Português, transformando os alunos nos pobres cordeiros sacrificados à voragem do lobo mau. Como se o Governo, até à data, não tivesse feito mais do que lançar medidas que prejudicam as famílias e, muito particularmente, os jovens. Como se o Governo, até à data, na Educação, não tivesse lançado medidas com efeitos muito mais gravosos do que uma greve a um exame nacional pode causar. Mais uma vez, o Governo quer desviar o ónus da responsabilidade para os bodes expiatórios do costume… os professores. E há muita “opinião pública” que embarca neste discurso – ainda merecerá um estudo aprofundado a análise desta patologia que, recorrentemente, acomete a população sempre que os professores são assunto.
 A degradação das condições de trabalho contra a qual os professores lutam não só põe em causa a qualidade do ensino atual (não, Sr. Ministro, não é o mesmo ensinar a 15 ou a 30 alunos, por mais fabulosos que sejam os métodos e competente seja o professor) como compromete perigosamente a qualidade do ensino no futuro: quem serão os professores do futuro, quando os que se formam atualmente (ou de há dez, quinze anos para cá) são enxotados do ensino?  quem serão os professores do futuro, quando os bons estudantes são aconselhados a não seguir uma profissão que, garantidamente, não tem futuro de emprego e é cada vez mais desvalorizada  e enxovalhada na sociedade?
Gostaria que algum senhor deputado, daqueles que estão tão indignados com a greve dos professores, me respondesse, aqui mesmo, neste espaço, frontalmente, a uma questão, se é que alguma vez descem da redoma onde se refugiam e isolam das pessoas que dizem representar para falar com elas.
Responda-me, pois, honestamente (e esta questão lanço-a também a todos os pais, a todos os portugueses):  o seu filho é um bom aluno, está no 12º ano, e diz-lhe que quer ser professor de Biologia. Ou de Filosofia. Ou professor do primeiro ciclo. Ficará tranquilo com essa escolha? Achará, honestamente, que é uma boa escolha?

Tenho duas filhas, uma no 8º e outra no 10º ano. Nenhuma delas quer ser professora. Não por não reconhecerem valor à profissão (conhecem o meu trabalho e sabem reconhecer o dos seus professores), mas porque sentem que a profissão não é reconhecida. Muito menos valorizada, não só financeiramente, mas socialmente. Insurgem-se contra os comentários que veem na televisão, por exemplo, a propósito desta greve. Como se a mãe fosse a criminosa que o senhor Marques Mendes diz que ela é, por fazer greve, como se a mãe não tivesse os mesmos direitos que um varredor, um médico, um motorista, quando fazem greve. Como se a mãe fosse uma cidadã menor. E elas não querem isso para elas. E eu, apesar de gostar da minha profissão, também não quero isto para elas.
E assim, senhores deputados, senhores ministros, meus caros concidadãos, estamos a caminhar para um futuro muito mais prejudicial para muitos mais alunos do que aqueles que vão fazer agora exame. Caminhamos para um futuro sem professores. E aqueles que houver, serão os menos qualificados, incapazes de entrar num curso “melhor”. Que ensino será, então, o nosso, com esses professores? Que será, então, dos nossos alunos?
Percebem agora o perigo do caminho que se está a seguir? Quem anda, afinal, a causar verdadeiramente prejuízo aos alunos?

Professores…

A Federação Nacional de Educação (FNE) e consequentemente os seus sindicatos, no prosseguimento da política de vendilhões que a sua central (UGT) nos tem habituado, andam de mãos dadas com a política criminosa deste governo, para a educação.


Tal como o “patrão” da UGT e os seus vassalos… vão dizendo umas critiquinhas – mas que não aleijem – sobre o governo, para distrair… 


Mas no essencial, pactuam com a miséria que está a acontecer…

Na verdade não lhes interessa se vão ser enviados para o desemprego milhares de professores, que são necessários para educar os meninos;

Não lhes interessa o aumento do horário lectivo, e o consequente aumento de horas que os docentes vão roubar às suas famílias para fazer o trabalho que é necessário;

Não lhes interessa que as salas de aulas sirvam para despejar meninos e não para ensinar;

Pergunto, mas afinal com o que estão contentes… 


Será com a classe dos Directores – nem todos felizmente – que ganham mais € 1.000,00 para servirem cegamente e de forma autista as indicações do governo?

Tenham atenção, pois o nome dos sindicatos poderão levar ao engano…  


Não contribuam para sindicatos que só servem para dividir docentes em prol de aumentar a carneirada; que de forma amorfa vivem diariamente, enquanto é destruída a escola pública… e a vida dos seus colegas e o futuro dos meninos.

Não contribuam para sindicatos, que usam a vossa contribuição para matar a escola pública em prol de outros interesses…

Juntem-se aos sindicatos da FENPROF, pois são estes que lutam pelo direito à escola pública…

Se ainda não compreenderam a diferença, comparem…