Greves na CP

Penso que a reclamação não deve ser feira aos trabalhadores da CP, mas à administração… e o governo que é o seu couveiro…
Temos que ter sensibilidade e conhecimento para dizermos o que dizemos.
Pois os trabalhadores estão a fazer greve ao trabalho suplementar, porque obrigam-nos a fazer trabalho suplementar mas não lhes querem pagar esse mesmo trabalho suplementar decentemente…
Por algum motivo a CP não possui os trabalhadores suficientes para o normal funcionamento da CP… porque recorrem de forma corrente ao trabalho suplementar.
Devemos reclamar da decisão que houve de não ser obrigatório os serviços alternativos, quando existe greve ou outras anomalias.
Para quem não sabe, quase todos os maquinistas têm mais de 15 dias de férias para gozarem e a CP não deixa, porque não têm o numero mínimo de maquinistas para a CP funcionar normalmente.
Enquanto isto a REFER está nas “lonas” porque e a FERTAGUS anda a lucrar e muito à conta do Estado.
Para o publico não há dinheiro, para os privados há e muito… o negocio da FERTAGUS foi um atentado aos bens públicos; Além das indemnizações que receberam (o ano passado o lucro da Fertagus foi igual à renda/indemnização) do estado…
Quando foi aberta a linha sobre a ponte 25 de Abril a CP foi proibida de concorrer, dava lucro, pois claro; A Fertagus ganhou o concurso, o estado ofereceu-lhes os comboios (posteriormente obrigaram a CP a comprar esses comboios à Fertagus, e agora estão alugados pela CP à Fertagus – grande negócio), e tiveram direito a indemnizações devido a não terem um determinado numero de utentes (contagem feita pela Fertagus, pois claro).
Por este motivo é que têm os bilhetes e os passes caríssimos…
Agora vão usando e abusando do material da REFER e não pagam um cêntimo…
Grande negócio.
Mas a culpa é dos trabalhadores da CP, pois claro…
Anúncios

EMPRESAS PUBLICAS

O problema da CP não é a CP, nem os seus trabalhadores; o problema da CP, e da maioria das empresas públicas, são as nomeações, as nomeações de pessoas que nada percebem do negócio, mas percebem de como multiplicar “tachos” para outros como eles.

A CP foi dividida em muitas empresas, todas tiveram direito a um conselho de administração, em todas criaram-se lugares de fantochada… no entanto quanto aos trabalhadores que trabalham e que produzem, nada é mudado, perdão, nada é mudado para melhor…
Tudo isto é feito com um propósito, dar cabo do que de bom existe, para posteriormente haver desculpas para entregar algo tão útil e necessário às mãos dos mercenários do capital.
Mas desiludam-se, pois os mercenários do capital só ficam com o que dá lucro, querem lá saber das pessoas, logo o que dá prejuízo mantêm-se nas mãos de todos nós, para pagarmos é claro.
A despesa a seguir vai aumentar, pois os mercenários do capital gostam muito do privado… mas só existe privado porque o estado paga para os privados terem lucros, logo a despesa aumenta… ainda mais.

A travessia da ponte 25 de Abril é feita pela Fertagus, empresa privada.

Quando foi aberto concurso para esta travessia a CP foi “proibida” de concorrer pelo governo, em funções naquela altura, tendo a fertagus concorrido e ganho, é claro.
Os fazedores de opinião lá vão dizer, que assim se vê uma empresa, a fertagus, que dá lucro e presta um serviço que se estivesse no estado dava prejuízo, e consequentemente o estado teria despesa.

Pois é, mas o que os fazedores de opinião normalmente não dizem, é a verdade toda; Não dizem que a fertagus tem o km mais caro da Europa, o passe caríssimo… mas podem fazer isto tudo e ter muitos lucros, pois quase a totalidade das despesas é a Refer que tem com a manutenção, e ainda têm um contrato com o estado de que se não atingirem um numero determinado de clientes, o estado indemniza a fertagus…

Assim até eu sou bom empresário…
Fico sempre com os lucros, e quando há prejuízo o estado paga, para eu não ter prejuízo e para eu ter lucros…
Quem tiver curiosidade vá investigar quem era o responsável do governo que proporcionou esta mina, e a quem?

Investiguem que verão…