Artigo e prémios…

A Liberty companhia de seguros, vem na sua revista «Liberty em ação» nº 33, de março de 2013, gabar-se que foi-lhe atribuído o prémio «Excelência no trabalho 2012». Este prémio foi-lhe imputado pelo Diário Económico em parceria com o ISCTE e a Heidrick & Struggles. A guerra dos diversos reconhecimentos, faz também como que por exemplo a Fidelidade diga que a “Reader´s Digest elegeu Fidelidade como marca de confiança”. 
Nestes guerras de competências o trabalhadores estão bem alheios, no entanto causa confrangimento que a Liberty tenha feitos todas as diligências para obter um reconhecimento onde deveria ter vergonha, onde as firmas que deram a aprovação, sabe-se lá a que preço, não investigaram as reais condições dos trabalhadores da Liberty. 
A Liberty está dotada dum controlo de assiduidade que mais parece um controlo de assédiudade. Os trabalhadores, tem que cumprir as sete horas por dia, e é lhes dito que se fizerem mais horas depois compensam e é-lhe dado um certo tempo para usufruírem d as horas em crédito. Ora devido ao acumular do serviço, os trabalhadores, chegam a acumular mais de 200 horas por ano e não as podem gozar, porque expira o prazo do usufruo das horas. 
Portanto é de perguntar a que titulo e que métodos utilizaram o Diário Económico, o ISCTE e a Heidrick & Struggles para dar este prémio à Liberty, porque daquilo que sabemos a única referência positiva é o carro da fruta.

Open space



Trabalhar num open space é viver permanentemente dentro de um documentário do National Geographic. Basta abrir a pestana e desfrutar da observação.

Descobrimos facilmente que não é só nas planícies do Serengueti, nas estepes asiáticas ou nas savanas africanas que existem espécies raras.

Sob uma determinada perspectiva estamos rodeados por animais autênticos: coçam-se, arrotam, flatulam, tiram macacos do nariz, tiram sebo das orelhas, levam o dedo mindinho ao dente, bocejam como hipopótamos e voltam a flatular abundantemente.

Para marcar território só falta mesmo urinarem em todos os metros quadrados definidos como “área pessoal”.

Nesse espaço pré-estabelecido por ordem superior colocam cartazes nas paredes, post-its, listas telefónicas, as fotografias das crias são um must e
tornam-se muito violentos quando se vêem privados da sua extensão telefónica.

Mas estamos a falar de outras semelhanças. Uns andam em grupos, outros isolados.

Uns aventuram-se ao almoço sozinhos, outros não. Uns voltam depois de almoço, outros nem por isso.

Num bom documentário animal não falta a parte do acasalamento.

Num open-space a quantidade de rituais de acasalamento envergonharia qualquer bando de hienas. Aqui o cio varia entre vários dias até vários anos.

É machos à volta de fêmeas, é fêmeas à volta de machos e depois também há muita bichanice. E o cheiro permanece no ar.

Descobrimos que trabalhar em open space tem regras próprias, como se tivessem sido impostas pela Mãe Natureza, onde é obrigatório falar baixinho porque o chefe não gosta do nível sonoro da tua gargalhada.

Ficas a saber que a vizinha do lado tem a mania de meter clips pelas orelhas para tentar sacar vários quilos de cera, que outros metem lápis nas narinas, lápis esses que vemos minutos mais tarde nas mãos de um director geral apressado em assinar um memo, que existe alguém que se rasga alarvemente e deixa um odor a putrefacção no ar, todos pensamos que são a merda dos americanos e os seus poluentes lançados para a atmosfera mas o cabrão está mesmo ali ao lado a digerir a entremeada com arroz e saladinha, ficamos a saber que o pulha ali à frente comprou um CD e que o ouve até gastar o raio laser do leitor, descobrimos que muitos dos nossos objectos pessoais desaparecem sem deixar rasto, sabemos que aquele tipo tem problemas em casa e que aquele outro tem um primo com um cancro na cabeça desde os 7 anos, percebemos que uma tipa não toma banho e que outra toma-o com o chefe, etc.

A lista é interminável.

Mas há coisas boas. Coisas positivas.

A melhor que descobri até agora é que tomamos conhecimento de tipos com muito mais pancada do que nós.

Valha-nos isso.

Eu sempre ouvi dizer que aquilo lá fora é uma selva.

Mas chego à conclusão de que a concentraram toda dentro de um open space.
De alguém que não sei quem…