Este Cavaco Silva não tem vergonha… E a escola pública?

Enquanto primeiro-ministro continuou a destruição da escola pública; Como Presidente da Republica assistiu, na bancada central, à continuação da destruição da escola publica…

Ao longo destes anos, os sucessivos governos têm atacado a escola pública, demonstrando intenções de quererem acabar com ela; Em beneficio das escolas privadas.

Não tenho nada contra as escolas privadas, mas quem quer ir para o privado que pague, e deixem o dinheiro público para investir nas escolas públicas, quer em quantidade quer em qualidade…

Se os sucessivos governos tivessem disponibilizado, para o ensino publico, o dinheiro que têm gasto com os privados, a esta hora tínhamos um ensino publico que nada devia ao existente, na maioria, nos países nórdicos.

Verdade, verdadinha…

Se existisse um bom ensino público já ninguém queria ir para as escolas privadas… e lá se ia o negócio lucrativo por água abaixo….

Por isso é preciso dar “cabo” do ensino público, para os “meninos” irem para o privado, e o estado financiar as instituições e os lucros dos seus proprietários.

Se ainda existem escolas públicas com qualidade, isto deve-se à carolice e sacrifício dos professores… professores que têm visto os seus direitos serem roubados, assim como, têm sido enxovalhados na praça pública por aqueles que os deviam defender.

Acho engraçado a preocupação que têm para com os professores do ensino privado; No entanto quando pagam ordenados de miséria a esses professores, e através de recibos verdes, não têm pena deles, nem se importam de saber como é que eles sobrevivem…

Se a escola pública funcionasse em boas condições, estes professores já não precisavam de andarem a ser explorados, pois teriam direito a ensinar com o mínimo de condições de vida e sabiam onde estariam no ano seguinte.

Se assim fosse quem perdia? Só os donos destes colégios privados , que fazem da exploração um negócio. E ainda por cima à conta dos nossos impostos.

Quanto à igreja:

Tenho pena que durante estes anos em que os sucessivos governos têm dado cabo da escola publica, a “Igreja” não se tenha organizado, como no presente, para denunciar e lutar contra a destruição de um bem tão precioso.

Enquanto isso Cavaco Silva, como Presidente da Republica, tem assistido impávido e sereno… mas agora como vão ao bolso dos seus amigos lá vem ele com moralismos… moralismo que não teve quando, como primeiro-ministro e presidente da república, contribuiu com actos e omissões para destruir um bem tão precioso, que é a ESCOLA PUBLICA.

Presidente Cavaco Silva, tenha vergonha…

Vendeu o sector produtivo português em troca de uns subsídios, para uma minoria;

Facilitou e impulsionou a privatização dos serviços públicos que são essenciais para a sobrevivência dos trabalhadores Portugueses.

Os trabalhadores para sobreviverem têm que pagar estes bens essenciais, como se de ricos tratassem. Para que os seus amigos enriqueçam cada vez mais, aumentando, diariamente, os seus lucros sobre os lucros;

Muito mais havia para dizer e demonstrar que V. Exa. é um dos grandes criminosos que contribuíram para a fome e a miséria que alastra no nosso Pais. Ao mesmo tempo que meia dúzia que lucrou com os seus actos, e retribuíram pagando campanhas e outros dividendos, estão a aumentar a sua riqueza a um ritmo alucinante.

A Alemanha também está-lhe muito agradecida, pois com o enterro do nosso sector produtivo, eles lucram com as suas exportações para Portugal, enquanto nós vamos estando cada vez mais endividados por causa de termos que comprar ao exterior, o que antes produzíamos…

Esta é a grande e verdadeira razão da nossa crise…

Foram pessoas como o Sr. e como os governos alternativos do PS, PSD e CDS, que puseram o nosso povo na miséria.

Quanto aos trabalhadores Portugueses, está na hora de deixarem a ingenuidade e a pobreza de espírito.

É necessário que os trabalhadores deixem de pactuar com as pessoas e politicas que consistem em fazer da miséria uma forma de vida para os trabalhadores Portugueses; E da luxúria e riqueza uma forma de vida para os banqueiros e todos os seus lacaios.

E não se esqueçam que esta luxúria e riqueza é fruto do trabalho dos Portugueses, porque os banqueiros e seus lacaios nada produzem, mas servem-se do trabalho dos trabalhadores para obterem riqueza e manipular as condições de vida do Povo.

Cada vez que ouço Cavaco Silva lembro-me de uma anedota

Estava um indivíduo a caminho da sopa dos pobres, encontra Cavaco Silva, e interpela tal figura.

– Senhor Presidente, os sucessivos governos do PS, PSD e CDS com as suas políticas, que defendem os ricos à custa dos pobre, puseram este pais de tal maneira que até as raparigas licenciadas têm que se prostituir para sobreviver.

Cavaco Silva com o seu sorriso responde:

– O Senhor está inverter tudo,….o que se passa é que o nosso sistema de ensino está tão bom, que até as prostitutas hoje são licenciadas…

Aos órgãos da Comunicação Social

CAVACO SILVA e seus negócios

Três reformas, mais de 7.416€, valores de 2008…como representante de alguns portugueses… Isto e que vai uma crise.

Conforme devem perceber, não votarei no Cavaco Silva, mas gostava depois de ser esclarecido em relação às questões postas em anexo.

Tenho umas perguntinhas a sugerir à nossa prestigiosa comunicação social, que anda sempre com falta de assuntos e é muito distraída.


A quem é que Cavaco e a filha compraram, em 2001, 254 mil acções da SLN, grupo detentor do BPN?

O PR disse há tempos, em comunicado, que nunca tinha comprado nada ao BPN, mas «esqueceu-se» de mencionar a SLN, ou seja, o grupo que detinha o Banco.

Como as acções da SLN não eram transaccionadas na bolsa, a quem é que Cavaco as comprou?

À própria SLN?

A algum accionista?

Qual accionista? (Sobre este ponto, ver adiante.)

Outra pergunta que não me sai da cachimónia:

Como é que foi fixado o preço de 1 euro por acção?

Atiraram moeda ao ar?

Consultaram a bruxa?

Recorreram a alguma firma especializada?

Curiosamente, a transacção foi feita quando o BPN já cheirava a esturro, quando o Banco de Portugal já «andava em cima do BPN», ao ponto de Dias Loureiro (amigo dilecto de Cavaco e presidente do Congresso do PSD), ter ido, aliás desaconselhado por Oliveira e Costa, reclamar junto de António Marta, como este próprio afirmou e Oliveira e Costa confirmou.

Outra pergunta:

Cavaco pagou?

E se pagou, fê-lo por transferência bancária, por cheque ou em cash? É importante saber se há rasto disso.

Passaram dois anos.

Em carta de 2003 à SLN, Cavaco alegadamente «ordenou» a venda das suas acções, no que foi imitado pela filha. Da venda resultaram 72 mil contos de mais valias para ambos. Presumo que essas mais valias foram atempadamente declaradas ao fisco e que os respectivos impostos foram pagos. Tomo isso como certo, nem seria de esperar outra coisa.

Uma coisa me faz aqui comichão nas meninges. Cavaco não podia «ordenar» a venda das acções (como disse atrás, não transaccionáveis na bolsa), mas apenas dizer que lhe apetecia vendê-las, se calhasse aparecer algum comprador para elas. A liquidez dessas «poupanças» de Cavaco era, com efeito, praticamente nula. Mas não é que o comprador apareceu prontamente, milagrosamente, disposto a pagar 1 euro e 40 cêntimos de mais valia por cada acção detida pela família Cavaco, quando as acções nem cotação tinham no mercado.

E quem foi o benemérito comprador, quem foi?

Com muito gosto esclareço, foi uma empresa chamada SLN Valor, o maior accionista da SLN.

Cito o Expresso online:

«Cavaco Silva e a filha deram ordem de venda das suas acções, em cartas separadas endereçadas ao então presidente da administração da SLN, José Oliveira Costa. Este determinou que as 255.018 acções detidas por ambos fossem vendidas à SLN Valor, a maior accionista da SLN, na qual participam os maiores accionistas individuais desta empresa, entre os quais o próprio Oliveira Costa.»

Ou seja, Oliveira e Costa praticamente ofereceu de mão beijada 72 mil contos de mais-valias à família Cavaco. E se foi Oliveira e Costa também a fixar o preço inicial de compra por Cavaco, então a coisa é perfeitamente clara.

Que terá acontecido entre 2001 e 2003 para as acções de uma empresa que andava a ser importunada pelo Banco de Portugal terem «valorizado» 140 %?

Falta, neste ponto, esclarecer várias coisas, a primeira das quais já vem de trás:

1. a quem comprou Cavaco e a filha as acções?

2. terá sido à própria SLN Valor, que depois as recomprou?

3. porque decidiu Cavaco vendê-las? Não tendo elas cotação no mercado, Cavaco não podia a priori esperar realizar mais-valias.

4. terá tido algum palpite, vindo do interior do universo SLN, só amigos e correligionários, para que vendesse, antes que a coisa fosse por água abaixo?

5. terá sido cheiro a esturro no nariz de Cavaco? Isso é que era bom saber!

6. porque quis a SLN Valor (re)comprar aquelas acções? Tinha poucas?

7. como fixou a SLN valor o preço de compra, com uma taxa de lucro bruto para o vendedor de 140% em dois anos, a lembrar as taxas praticadas pela banqueira do povo D. Branca?

E já agora, se Cavaco Silva é tão preocupado com a pobreza e a inclusão dos cidadãos mais desvalidos, por que não aufere apenas o ordenado de Presidente da República?!

Será porque é mal pago e tem que acumular com as reformas de professor, do Banco de Portugal e de primeiro-ministro?!

Se estivesse sinceramente preocupado com os pobres e a recuperação das finanças do Estado, não deveria e poderia dar o exemplo e renunciar às reformas enquanto estivesse no activo?! Antes do Governo do dito senhor era assim, só se auferiam as reformas depois de deixar completamente o activo e os descontos eram englobados e pagas numa única prestação!

Que espera o professor para dar um exemplo de Catão como é o do seu apoiante Ramalho Eanes, o único que renunciou ao pagamento de muitos milhões que o Estado lhe devia?

Afinal o dinheiro de todos e que é dos nossos impostos tem um valor muito diferente, consoante a moral dos governantes sérios e dos que se governam …

Por hoje não tenho mais sugestões de perguntas à comunicação social.

Sr. Dr. Professor…

Ontem o Sr. Dr. Professor Cavaco Silva, para espanto de todos nós, anunciou a sua candidatura à Presidência da República utilizando somente 2700 segundos, no horário nobre da televisão.

Pelos vistos, é uma candidatura cheia de ar fresco e que vai mudar a miséria que assola o País, após ter feito um investimento de muitos anos em que esteve no governo e na Presidência da República, onde com a sua dedicação e amor ao capital conseguiu proporcionar muita riqueza a quem era rico, e muita miséria a quem mais precisava.

No entanto o Sr. Dr. Prof. disse que ia ser muito poupadinho na propaganda, deve ser porque não paga o tempo de antena que a comunicação social lhe proporciona, diariamente (investimento dos Srs do dinheiro, que lhes rende muito mais do que tivessem o dinheiro investido em aplicações financeiras).

Como se não bastasse, tem os seus amigos, exímios fazedores de opinião pública, que vão minando com as suas falinhas de cordeiros… as mentes e consciências pouco esclarecidas que povoam este Portugal.

Ilustres privilegiados, que vendem ao povo que a miséria que lhes impõem é necessária, para bem do Pais (esquecem-se é de dizer quem são os beneficiados), usando largos “tempos de antena”, providenciados por quem ganha com a miséria dos trabalhadores.

Enquanto isso, estes Ilustres têm a entrar nas suas contas chorudas quantias, referentes a pressupostos pareceres que emitem e pagos com verbas inscritas no orçamento de estado; Rubrica que nunca sofre com a crise, antes pelo contrário… está sempre a crescer, pois estes ilustres não fazem nada de “borla”.

Tudo por interesse nacional…


O PS, PSD e CDS gritam, zangam-se… mas temos que dar o braço a torcer;
Estes defendem verdadeiramente o interesse nacional, e para demonstrarem isso, não entram em peixeiradas no que toca a assuntos de grande interesse e relevo para os interesses nacionais… ao contrário de outros traidores que por ai andam…

Tendo a Associação Portuguesa de Bancos admitido que os lucros referentes ao ano de 2009, resumiram-se a uma miséria superior a 5 milhões de euros por dia, e que tiveram uma tributação efectiva, elevadíssima, de 4,3 por cento. O PS, PSD e CDS não entraram na canalhice de exigirem que estes miseráveis lucros fossem tributados a uma taxa de 25 por cento, como certos traidores à pátria exigiam.
Não se entende que, estes traidores do interesse nacional, pretendam que a banca pague uma taxa de IRC como qualquer outra empresa. Sendo que os cerca de 2 429 milhões de euros, que o estado poderia receber em receita fiscal, são muito mais dignos de receber se forem pagos pelos trabalhadores, e é uma medida justa, e no interesse nacional.

Mas estes traidores não entendem quanto interesse tem para o País a realização de transacções, tal como aconteceu com a venda da participação da PT na Vivo à Telefónica; Em que os accionistas alienaram esta empresa, por interesse nacional, e só receberam pouco mais de 6 mil milhões de euros de mais-valias. Estes traidores ainda achavam que as mais-valias bolsistas, que a venda proporcionou, deviam ter sido objecto de pagamento de imposto.
O que esteve mal nesta situação foi a necessidade de terem recorrido a um paraíso fiscal na Holanda, para chegarem a Portugal sem pagarem impostos; Quando o que devia ter acontecido, e em respeito ao interesse nacional que os accionistas demonstraram, era terem-lhes ido levar o dinheiro a casa com um cartão de agradecimento.

Não contentes com estas posições, estes traidores, ainda defendem que as operações das chamadas SGPS, bem como dos privilégios dos gestores de grandes empresas, deviam ser objecto de tributação das mais-valias; Isto são ideias de loucos, agora só falta dizerem que as SGPS deviam pagar imposto sobre os imóveis que possuem… estes traidores do interesse nacional.

Se o estado precisa de mais receita, aumentem os impostos sobre os imóveis dos particulares.

Estes traidores nacionais já me enjoam, e ainda defendem a criação de um novo imposto, que taxe em 0,1 por cento todas as operações bolsistas e em 20 por cento as transferências financeiras para os paraísos fiscais, assim como, uma tributação extraordinária dos patrimónios mais elevados; Isto é um roubo…

Estes traidores deviam ser presos, pois querem por em causa o Interesse Nacional, e com isso não se brinca.

Sr. Prof. Cavaco Silva, digníssimo Presidente da República, no seguimento do interesse nacional que tem demonstrado, através do seu apoio às politicas que têm sido aplicadas e apoiadas pelo PS, PSD e CDS, ao longo destes anos todos;

Peço-lhe que tal como tem sido sua conduta, na condecoração de verdadeiros defensores do interesse nacional, podia e devia condecorar o nosso Sócrates, o nosso Passos Coelho e o nosso Paulo Portas, como grandes defensores do interesse nacional.

E não se esqueça convidar para a cerimónia um grande homem, que sempre teve em consideração o interesse nacional, o nosso Mário Soares, homem que muitos sacrifícios fez, na defesa do interesse nacional.