Ao retrato de Catarina

Esses teus olhos enxutos
Num fundo cavo de olheiras
Esses lábios resolutos
Boca de falas inteiras
Essa fronte aonde os brutos
Vararam balas certeiras
Contam certa a tua vida
Vida de lida e de luta
De fome tão sem medida
Que os campos todos enluta
Ceifou-te ceifeira a morte
Antes da própria razão
Quando o teu altivo porte
Fazia sombra ao patrão
Sua lei ditou-te a sorte
Negra bala foi teu pão
E o pão por nós semeado
Com nosso suor colhido
Pelo pobre é amassado
Pelo rico só repartido
Tanta seara continhas
Visível já nas entranhas
Em teu ventre a vida tinhas
Na morte certeza tenhas
Malditas ervas daninhas
Hão-de ter mondas tamanhas
Searas de grã estatura
De raiva surda e vingança
Crescerão da tua esperança
Ceifada sem ser madura
Teus destinos Catarina
Não findaram sem renovo
Tiveram morte assassina
Hão-de ter vida de novo
Na semente que germina
Dos destinos do teu povo
E na noite negra negra
Do teu cabelo revolto
nasce a Manhã do teu rosto
No futuro de olhos posto

Carlos Aboim Inglez

Anúncios

"Soma Pouca"

Meus olhos olharam coisas estranhas no meu estranho país:
Crianças mamando fome em seios secos e sem gritos
e homens fazendo brutalmente nas mulheres a vida morta já.
Olho a cidade à tarde: ventre disforme parindo abortos só,
fábricas engolindo nervos vomitando fome pelas ruas
e nos passeios pequenas flores fanadas escorrendo dos ateliers.
Meus olhos olharam coisas estranhas no meu estranho país.

Carlos Aboim Inglez