Merceeiro de BEJA

O Manuel, alentejano de gema, dono de uma mercearia em Beja, leva a sua mulher ao ginecologista, para saber por que apareceram umas pintínhas azuis na virilha dela.

Depois de a examinar, o médico chama o Manuel e pergunta:

– O senhor pratica regularmente sexo oral com a sua mulher?

– É claro, doutôri… Ela gosta, muitíssimo, óh se gosta!


– Então nas próximas vezes, lembre-se de tirar a caneta da orelha! 
Anúncios
por soproleve Publicado em Anedota

Jovem esposa desesperada

– Ah, doutor, não suporto mais. Apesar de todos os meus esforços, meu marido não me dá a menor bola. Desde que nos casamos, só fala na mãe, na mãe, na mãe. É como se eu não existisse.

– Já experimentou preparar um jantar especial?


– Já! E não adiantou, disse que a comida da mãe era melhor que a minha!

– Ouça, se há um domínio onde sua sogra não pode rivalizar é na cama. Esta noite, vista um baby doll preto e calcinha preta. A cor preta é muito sexy e muito excitante. Incluindo uma cinta-liga negra também. Ele não vai resistir!

Sara seguiu o plano à risca e, de facto, nunca se vira tão sexy.


O Jàcó chega a casa, arregala os olhos e diz:

– Sarahhhhh, você está toda de preto… Aconteceu alguma coisa à minha mãe? 
por soproleve Publicado em Anedota

Queremos Suzuky no governo!…

O menino japonês

No primeiro dia de aulas, numa escola secundária dos EUA, a professora
apresentou aos alunos um novo colega, Sakiro Suzuki, vindo do Japão.

A aula começa e a professora diz:
Vamos ver quem conhece a história americana.

Quem disse: ‘Dê-me a liberdade ou a morte?’

Silêncio total na sala.   Apenas Suzuki levanta a mão: – ‘Patrick
Henry em 1775, em Filadélfia’.

Muito bem, Suzuki.  E quem disse: -‘O Estado é o povo, e o povo não
pode afundar-se?’

Suzuki: – ‘Abraham Lincoln, em 1863, em Washington’.

A professora olha os alunos e diz:

– ‘Não têm vergonha? Suzuki é japonês e sabe mais sobre a história
americana do que vocês!’
Então, ouve-se uma voz baixinha, lá ao fundo: – ‘Japonês filho da puta!’

– ‘Quem foi?’ – grita a professora
Suzuki levanta a mão e, sem esperar, responde:
– ‘General McArthur, em 1941, em Pearl Halbour’.

A turma fica super silenciosa… apenas se ouve do fundo da sala:
– ‘Acho  que vou vomitar’.
A professora grita: – ‘Quem foi?’.  E Suzuki: – ‘George Bush Pai, ao
Primeiro-Ministro Tanaka, durante um almoço em Tóquio, em 1991′.

Um dos alunos diz: – ‘Chupa o meu pau!’

E a professora, irritada: -‘Acabou-se! Quem foi agora?’
E Suzuki, sem hesitações: – ‘Bill Clinton a Mónica Lewinsky, na Sala
Oval da Casa Branca, em Washington, em 1997′.

E outro aluno diz ao fundo: – ‘Suzuki de merda!’
E Suzuki responde: – ‘Valentino Rossi, no Grande Prémio do Brasil de
Moto GP, no Rio de Janeiro, em 2002′.

A turma fica histérica, a professora desmaia, a porta abre-se e entra
o director, que diz: -‘Que merda é esta? Nunca vi uma confusão deste
tamanho!

E Suzuki, bem alto: -‘Nuno Crato para Miguel Relvas, em 2012, após
ter recebido o relatório da inspecção feita à Universidade
Lusófona …

Humor universitário

Na biblioteca duma universidade, um tipo pergunta a uma moça:

– Importa-se que me sente ao pé de si?

A moça respondeu em voz muito alta

– Não, não quero passar a noite consigo!

Toda a gente na biblioteca ficou a olhar para o indivíduo, visivelmente embaraçado. Passado um pouco a moça foi calmamente até à mesa onde ele estava e disse:

– Eu estudo psicologia; por isso sei o que um homem está a pensar. Ficou embaraçado, não foi?

Então, o fulano respondeu em voz muito alta:

– Quinhentos euros por uma noite? Isso é demais!

Desta vez toda a gente na biblioteca olhou chocada para a rapariga.

O indivíduo sussurrou-lhe então ao ouvido:

– Eu estudo direito; por isso sei como lixar o parceiro!

As secretárias de alguns médicos devem pensar que são doutoras.

Isto, porque perguntam, quase sempre, quando se chega a uma consulta, a razão da visita. E o paciente, por delicadeza, tem que responder, diante de todos, às perguntas que lhe fazem, o que se torna muito desagradável.
Não há nada pior que uma recepcionista perguntar o motivo da consulta, diante de uma sala de espera cheia de pacientes.

Uma vez entrei para uma consulta, aproximei-me da recepcionista, com um ar de pouco simpática.

– Bom dia, minha senhora!

Ao que a recepcionista respondeu:
– Bom dia, quais são as suas queixas? Porque veio à consulta?
– Tenho um problema com o meu pénis, respondi.

Como alguns dos presentes riram, a recepcionista alterou-se e disse-me:
– O senhor não deveria dizer coisas como estas diante das pessoas.
– Porque não? … a senhora perguntou-me a razão da consulta e eu respondi.

A recepcionista disse-me, então:
– Poderia ter sido mais dissimulado e dizer, por exemplo, que teria uma irritação no ouvido e discutir o real problema com o Doutor, já dentro do gabinete médico.

Ao que eu respondi:
– E a senhora não deveria fazer perguntas diante de estranhos, se a resposta pode incomodar.

Então sorri, saí e voltei a entrar:
– Bom dia, minha senhora!

A recepcionista sorriu, meio sem jeito, e perguntou:
– Sim???
– Tenho um problema com o meu ouvido.


A recepcionista assentiu e sorriu, vendo que havia seguido o seu conselho e voltou a perguntar-me:

– E… o que acontece com o seu ouvido?

Arde-me quando eu mijo…

As risadas na sala de espera foram incontroláveis…
por soproleve Publicado em Anedota

Os Lusíadas

Numa manhã, a professora pergunta ao aluno:
– Diz-me lá quem escreveu ‘Os Lusíadas’?
O aluno, a gaguejar, responde:
– Não sei, Sra. Professora, mas eu não fui.
E começa a chorar. A professora, furiosa, diz-lhe:
– Pois então, de tarde, quero falar com o teu pai.
Em conversa com o pai, a professora faz-lhe queixa:
– Não percebo o seu filho. Perguntei-lhe quem escreveu ‘Os Lusíadas’ e ele
respondeu-me que não sabia, que não foi ele…
Diz o pai:
– Bem, ele não costuma ser mentiroso, se diz que não foi ele, é porque não
foi. Já se fosse o irmão…
Irritada com tanta ignorância, a professora resolve ir para casa e, na
passagem pelo posto local da G.N.R., diz-lhe o comandante:
– Parece que o dia não lhe correu muito bem…
– Pois não, imagine que perguntei a um aluno quem escreveu ‘Os Lusíadas’
respondeu-me que não sabia, que não foi ele, e começou a chorar.
O comandante do posto:
– Não se preocupe. Chamamos cá o miúdo, damos-lhe um ‘aperto’, vai ver que ele
confessa tudo!
Com os cabelos em pé, a professora chega a casa e encontra o marido sentado no
sofá, a ler o jornal. Pergunta-lhe este:
– Então o dia correu bem?
– Ora, deixa-me cá ver. Hoje perguntei a um aluno quem escreveu ‘Os Lusíadas’.
Começou a gaguejar, que não sabia, que não tinha sido ele, e pôs-se a chorar.
O pai diz-me que ele não costuma ser mentiroso. O comandante da G.N.R. quer
chamá-lo e obrigá-lo a confessar. Que hei-de fazer a isto?
O marido, confortando-a:
– Olha, esquece. Janta, dorme e amanhã tudo se resolve. Vais ver que se calhar
foste tu e já não te lembras…!

COMO COMEÇAM ZANGAS NOS CASAIS…

A minha mulher sentou-se no sofá junto a mim enquanto eu passava pelos canais.
Ela perguntou, “O que há na TV? “
Eu disse, “Pó. “

E a briga começou…

============ ========= ========= =========

Quando cheguei a casa ontem à noite, a minha mulher exigiu que a
levasse a um lugar caro.
Então eu levei-a ao posto de gasolina.
E então a zanga começou…

============ ========= ========= =========

A minha mulher e eu estávamos sentados numa mesa na reunião do liceu,
e eu fiquei a olhar para uma moça bêbada que balançava a sua bebida
enquanto estava sozinha numa mesa próxima.
A minha mulher perguntou, “Conhece-la?”
“Sim,” disse eu, “Ela é minha antiga namorada… Eu sei que ela
começou a beber logo depois de nos separarmos há tantos anos e pelo
que sei ela nunca mais ficou sóbria.”
“Meu Deus!”, disse a minha mulher, ” ninguém imagina que alguém
pudesse celebrar durante tanto tempo!”

E então a zanga começou…

============ ========= ========= =========

Depois de me reformar, fui até à Seg. Social para poder receber a reforma.
A mulher que me atendeu solicitou o meu bilhete de identidade para
verificar a idade. Procurei nos bolsos e percebi que o tinha deixado
em casa.
A funcionária disse que lamentava, mas teria que o ir buscar a casa e
voltar depois. E disse-me, “Desabotoe a camisa.”
Então, desabotoei-a deixando expostos os meus pelos crespos prateados.
Ela disse, “Esses pelos prateados no seu peito são prova suficiente
para mim,” e processou a minha reforma.
Quando cheguei a casa, contei entusiasmado o que ocorrera à minha mulher.
E ela disse: “Por que não baixaste as calças? Poderias ter conseguido
invalidez permanente também… “

E então a zanga começou…

============ ========= ========= =========

A mulher está nua, olhando no espelho do quarto. Não está feliz com o
que vê e diz para o marido:
“Sinto-me horrível; pareço velha, gorda e feia. Realmente preciso de
um elogio teu. “
O marido responde, “A tua visão está perto da perfeição. “

E então a zanga começou…

====================================================

O marido volta do Médico e a mulher, toda preocupada, pergunta-lhe:
“E então, o que disse o Médico?”.
De pronto, ele respondeu:
“A partir de hoje, não faremos mais amor, estou proibido de comer
coisas gordas.”

E então a zanga começou…

por soproleve Publicado em Anedota

Contratação de pessoal utilizando o método do tijolo!

O método consiste em:
A – Colocar todos os candidatos num armazém
B – Disponibilizar 200 tijolos para cada um.
C – Não dê orientação alguma sobre o que fazer.
D – Tranque-os lá.
Após seis horas, volte e verifique o que fizeram.
Segue a chave da análise dos resultados:
1 – Os que contaram os tijolos, contrate-os como contabilistas.
2 – Os que contaram e em seguida recontaram os tijolos, são auditores.
3 – Os que espalharam os tijolos, são engenheiros.
4 – Os que abriram mais uns buracos nos tijolos, são arquitectos.
5 – Os que tiverem arrumado os tijolos de maneira muito estranha, difícil de entender, coloque-os no Planeamento, Projectos, Implantação e Controlo de Produção.
6 – Os que estiverem a arremessar tijolos uns contra outros, coloque-os em Operações.
7 – Os que estiverem a dormir, coloque-os na Segurança.
8 – Aqueles que picaram os tijolos em pedacinhos e estiverem a tentar monta-los novamente, devem ir directo para a Tecnologia da Informação.
9 – Os que estiverem sentados sem fazer nada ou em conversa fiada, vão para os Recursos Humanos.
10 – Os que disserem que fizeram de tudo para diminuir o stock mas a concorrência está desleal e será preciso pensar em maiores facilidades, são vendedores natos.
11 – Os que já tiverem saído, são administradores.
12 – Os que estiverem a olhar pela janela com o olhar perdido no infinito, são os responsáveis pelo Planeamento Estratégico.
13 – Os que estiverem a conversar entre si com as mãos nos bolsos demonstrando que nem sequer tocaram nos tijolos e jamais fariam isso, cumprimente- os com muito respeito e coloque-os na Direcção.
14 – Os que levantaram um muro e se esconderam atrás dele, são os do Departamento de Marketing.
15 – Os que afirmarem não estar a ver tijolo algum no armazém, são advogados, encaminhe-os para o Departamento Jurídico.
16 – Os que reclamarem que os tijolos “estão uma porcaria, sem identificação, sem padronização e com medidas erradas”, coloque-os no Controlo de Qualidade.
17 – Os que começarem a chamar os demais de “companheiros ou camaradas”, elimine-os imediatamente antes que criem um sindicato.
Atenciosamente,
O Psicólogo Chefe

por soproleve Publicado em Anedota

GESTÃO DE OBJECTIVOS… NO CÉU

Havia uma aldeia onde viviam dois homens que tinham o mesmo nome:

– Carlos Catarino.  Um era sacerdote e o outro taxista.

Quis o destino que morressem no mesmo dia.

Quando chegaram ao céu, São Pedro esperava-os.

– O teu nome ?

– Carlos Catarino.

– És o sacerdote ?

– Não, o taxista.

São Pedro consulta as suas notas e diz:

– Bom, ganhaste o paraíso. Levas esta túnica com fios de ouro e este ceptro de platina com incrustações de rubis. Podes entrar.

– O teu nome ?
– Carlos Catarino.
– És o sacerdote ?
– Sim, sou eu mesmo.
– Muito bem, meu filho, ganhaste o paraíso. Levas esta bata de linho e este  ceptro de ferro.
O sacerdote diz:
– Desculpe, mas deve haver engano. Eu sou o Carlos Catarino, o sacerdote!
– Sim, meu filho, ganhaste o paraíso. Levas esta bata de linho e…
– Não pode ser! Eu conheço o outro senhor. Era taxista, vivia na minha aldeia e era um desastre! Subia os passeios, batia com o carro todos os dias, conduzia pessimamente e assustava as pessoas. Nunca mudou, apesar das multas e repreensões policiais. E quanto a mim, passei 75 anos pregando todos os domingos na paróquia. Como é que ele recebe a túnica com fios de ouro e eu… isto?
– Não é nenhum engano – diz São Pedro. Aqui no céu, estamos a fazer uma gestão mais profissional, como a que vocês fazem lá na Terra.
– Não entendo!
– Eu explico. Agora orientamo-nos por objetivos: É assim: durante os últimos anos, cada vez que tu pregavas, as pessoas dormiam. E cada vez que ele conduzia o táxi, as pessoas começavam a rezar. Resultados! Percebeste? Gestão por Objectivos! O que interessa são os resultados, a forma de lá chegar é completamente secundária…

Passos Coelho vai à bruxa

Passos Coelho vai à bruxa

A vidente concentra-se, fecha os olhos e diz:

– Vejo o senhor a passar numa avenida, em carro aberto, com o povo a acenar.
Encantado, Passos Coelho, pergunta:
– E a multidão, está feliz?

– Como nunca!

– E o povo, corre atrás do carro?
– Atrás e à volta. Como loucos!
– A polícia até tem dificuldade em abrir caminho
– As pessoas, carregam bandeiras, dísticos?
– Sim, bandeiras de Portugal e faixas com palavras de esperança
A sério?! E gritam, cantam?
– Gritam: “Agora sim!!! Agora tudo vai melhorar! ”

– E eu, como é que eu reajo?
– Não dá p’ra ver.

– Não dá p’ra ver?!
– Não!
– O caixão vai fechado…