Dona Abastança


Manuel da Fonseca e a caridadezinha tão em voga ao longo de todos os tempos.

Dona Abastança

«A caridade é amor»
Proclama dona Abastança
Esposa do comendador

Senhor da alta finança.

Família necessitada
A boa senhora acode
Pouco a uns a outros nada
«Dar a todos não se pode.»

Já se deixa ver
Que não pode ser
Quem
O que tem

Dá a pedir vem.

O bem da bolsa lhes sai
E sai caro fazer o bem

Ela dá ele subtrai

Fazem como lhes convém

Ela aos pobres dá uns cobres
Ele incansável lá vai
Com o que tira a quem não tem

Fazendo mais e mais pobres.

Já se deixa ver
Que não pode ser

Dar

Sem ter
E ter sem tirar.

Todo o que milhões furtou
Sempre ao bem-fazer foi dado

Pouco custa a quem roubou

Dar pouco a quem foi roubado.

Oh engano sempre novo
De tão estranha caridade

Feita com dinheiro do povo

Ao povo desta cidade.

Manuel da Fonseca

Presidente Cavaco Silva, tenha vergonha…

Vendeu o sector produtivo português em troca de uns subsídios, para uma minoria;

Facilitou e impulsionou a privatização dos serviços públicos que são essenciais para a sobrevivência dos trabalhadores Portugueses.

Os trabalhadores para sobreviverem têm que pagar estes bens essenciais, como se de ricos tratassem. Para que os seus amigos enriqueçam cada vez mais, aumentando, diariamente, os seus lucros sobre os lucros;

Muito mais havia para dizer e demonstrar que V. Exa. é um dos grandes criminosos que contribuíram para a fome e a miséria que alastra no nosso Pais. Ao mesmo tempo que meia dúzia que lucrou com os seus actos, e retribuíram pagando campanhas e outros dividendos, estão a aumentar a sua riqueza a um ritmo alucinante.

A Alemanha também está-lhe muito agradecida, pois com o enterro do nosso sector produtivo, eles lucram com as suas exportações para Portugal, enquanto nós vamos estando cada vez mais endividados por causa de termos que comprar ao exterior, o que antes produzíamos…

Esta é a grande e verdadeira razão da nossa crise…

Foram pessoas como o Sr. e como os governos alternativos do PS, PSD e CDS, que puseram o nosso povo na miséria.

Quanto aos trabalhadores Portugueses, está na hora de deixarem a ingenuidade e a pobreza de espírito.

É necessário que os trabalhadores deixem de pactuar com as pessoas e politicas que consistem em fazer da miséria uma forma de vida para os trabalhadores Portugueses; E da luxúria e riqueza uma forma de vida para os banqueiros e todos os seus lacaios.

E não se esqueçam que esta luxúria e riqueza é fruto do trabalho dos Portugueses, porque os banqueiros e seus lacaios nada produzem, mas servem-se do trabalho dos trabalhadores para obterem riqueza e manipular as condições de vida do Povo.

Cada vez que ouço Cavaco Silva lembro-me de uma anedota

Estava um indivíduo a caminho da sopa dos pobres, encontra Cavaco Silva, e interpela tal figura.

– Senhor Presidente, os sucessivos governos do PS, PSD e CDS com as suas políticas, que defendem os ricos à custa dos pobre, puseram este pais de tal maneira que até as raparigas licenciadas têm que se prostituir para sobreviver.

Cavaco Silva com o seu sorriso responde:

– O Senhor está inverter tudo,….o que se passa é que o nosso sistema de ensino está tão bom, que até as prostitutas hoje são licenciadas…

CTT novo patrocinador da retirada dos subsídios de doença…


O governo devia agradecer aos CTT os “ganhos” que vai ter pela retirada do subsídio de doença a alguns trabalhadores.

Pois ao proporcionarem o extravio das notificações para realização de juntas médica, marcações feitas com alguns dias de antecedência, ajudam a que haja falta da pessoa em causa, e… “ganho” financeiro, e ainda a ocasião para dizerem que este trabalhador é um trambiqueiro.

Em 3 meses recebi duas, e nenhuma era dirigida à minha residência.

Só restou-me gastar tempo e dinheiro para entregar a carta em causa, ao destinatário.

Peço desculpa, mas não contribui para esta poupança… mas contribui para substituir os serviços dos CTT, em entregar a correspondência aos verdadeiros destinatários.

Algo que já se tornou normal… em virtude dos correios serviram para muita coisa, menos para entregar correspondência. Enquanto que esta empresa é preparada para ser entregue, por meia dúzia de tostões, aos mercenários que povoam este país.

Salário mínimo nacional…

As associações de patrões são possuidores de uma hipocrisia enorme, e mais uma vez têm a ajuda da UGT no prosseguimento da política de exploração de quem trabalha.

Todos os dias ouvimos que as empresas precisam de trabalhadores, e não conseguem contratar…
No entanto o que a maioria das empresas procura são escravos, escravos que ganhem o mínimo possível, o essencial para irem trabalhar no dia seguinte.

Felizmente, ainda, existem alguns empresários honestos, que rejeitam participar na exploração dos seus trabalhadores, no entanto são muito poucos…

A hipocrisia é enorme…

Até no tempo da escravatura os trabalhadores eram mais bem pagos. Nessa altura os “patrões” tinham que dar aos seus escravos um sítio para dormir e comida; Quando os escravos estavam doentes tinham que providenciar pelo tratamento destes.
Agora esta maioria hipócrita acha que € 500,00 é muito, no entanto esta quantia não dá para alugar uma casa, quanto mais para comer e ir ao médico.

Mas também é verdade, caso os trabalhadores adoeçam despedem-nos, e contratam outros. Quanto ao seu antigo trabalhador, ele que vá morrer de doença e fome… mas longe da sua vista.

A UGT mostra, mais uma vez, a finalidade da sua existência… e não é a de defender os direitos de quem trabalha.

Para quem diz que os trabalhadores têm muita sorte se tiverem trabalho, não se esqueçam:

No tempo da escravatura existia muito trabalho, mas não existiam direitos…

Conto de Natal – Maria e José na Palestina em 2010

por James Petras

Os tempos eram duros para José e Maria. A bolha imobiliária explodira. O desemprego aumentava entre trabalhadores da construção civil. Não havia trabalho, nem mesmo para um carpinteiro qualificado.

Os colonatos ainda estavam a ser construídos, financiados principalmente pelo dinheiro judeu da América, contribuições de especuladores de Wall Street e donos de antros de jogo.

“Bem”, pensou José, “temos algumas ovelhas e oliveiras e Maria cria galinhas”. Mas José preocupava-se, “queijo e azeitonas não chegam para alimentar um rapaz em crescimento. Maria vai dar à luz o nosso filho um dia destes”. Os seus sonhos profetizavam um rapaz robusto a trabalhar ao seu lado… multiplicando pães e peixes.

Os colonos desprezavam José. Este raramente ia à sinagoga, e nas festividades chegava tarde para fugir à dízima. A sua modesta casa estava situada numa ravina próxima, com água duma ribeira que corria o ano inteiro. Era mesmo um local de eleição para a expansão dos colonatos. Por isso quando José se atrasou no pagamento do imposto predial, os colonos apropriaram-se da casa dele, despejaram José e Maria à força e ofereceram-lhes bilhetes só de ida para Jerusalém.

José, nascido e criado naquelas colinas áridas, resistiu e feriu uns tantos colonos com os seus punhos calejados pelo trabalho. Mas acabou abatido sobre a sua cama nupcial, debaixo da oliveira, num desespero total.

Maria, muito mais nova, sentia os movimentos do bebé. A sua hora estava a chegar.

“Temos que encontrar um abrigo, José, temos que sair daqui… não há tempo para vinganças”, implorou.

José, que acreditava no “olho por olho” dos profetas do Antigo Testamento, concordou contrariado.

E foi assim que José vendeu as ovelhas, as galinhas e outros pertences a um vizinho árabe e comprou um burro e uma carroça. Carregou o colchão, algumas roupas, queijo, azeitonas e ovos e partiram para a Cidade Santa.

O trilho era pedregoso e cheio de buracos. Maria encolhia-se em cada sacudidela; receava que o bebé se ressentisse. Pior, estavam na estrada para os palestinos, com postos de controlo militares por toda a parte. Ninguém tinha avisado José que, enquanto judeu, podia ter-se metido por uma estrada lisa pavimentada – proibida aos árabes.

Na primeira barragem José viu uma longa fila de árabes à espera. Apontando para a mulher muito grávida, José perguntou aos palestinos, meio em árabe, meio em hebreu, se podiam continuar. Abriram uma clareira e o casal avançou.

Um jovem soldado apontou a espingarda e disse a Maria e a José para se apearem da carroça. José desceu e apontou para a barriga da mulher. O soldado deu meia volta e virou-se para os seus camaradas. “Este árabe velho engravida a rapariga que comprou por meia dúzia de ovelhas e agora quer passar”.

José, vermelho de raiva, gritou num hebreu grosseiro, “Eu sou judeu. Mas ao contrário de vocês… respeito as mulheres grávidas”.

O soldado empurrou José com a espingarda e mandou-o recuar: “És pior do que um árabe – és um velho judeu que violas raparigas árabes”.

Maria, assustada com o caminho que as coisas estavam a tomar, virou-se para o marido e gritou, “Pára, José, ou ele dispara e o nosso bebé vai nascer órfão”.

Com grande dificuldade, Maria desceu da carroça. Apareceu um oficial do posto da guarda, a chamar por uma colega, “Oh Judi, apalpa-a por baixo do vestido, ela pode ter bombas escondidas”.

“Que se passa? Já não gostas de ser tu a apalpá-las?” respondeu Judith num hebreu com sotaque de Brooklyn. Enquanto os soldados discutiam, Maria apoiou-se no ombro de José. Por fim, os soldados chegaram a um acordo.

“Levanta o vestido e o que tens por baixo”, ordenou Judith. Maria ficou branca de vergonha. José olhava para a espingarda desmoralizado. Os soldados riam-se e apontavam para os peitos inchados de Maria, gracejando sobre um terrorista ainda não nascido com mãos árabes e cérebro judeu.

José e Maria continuaram a caminho da Cidade Santa. Foram frequentes vezes detidos nos postos de controlo durante a caminhada. Sofriam sempre mais um atraso, mais indignidades e mais insultos gratuitos proferidos por sefarditas e asquenazes, homens e mulheres, leigos e religiosos – todos soldados do povo Eleito.

Já era quase noite quando Maria e José chegaram finalmente ao Muro. Os portões já estavam fechados. Maria chorava em pânico, “José, sinto que o bebé está a chegar. Por favor, arranja qualquer coisa depressa”.

José entrou em pânico. Viu as luzes duma pequena aldeia ali ao pé e, deixando Maria na carroça, correu para a casa mais próxima e bateu à porta com força. Uma mulher palestina entreabriu a porta e espreitou para a cara escura e agitada de José. “Quem és tu? O que é que queres?”

“Sou José, carpinteiro das colinas do Hebron. A minha mulher está quase a dar à luz e preciso de um abrigo para proteger Maria e o bebé”. Apontando para Maria na carroça do burro, José implorava na sua estranha mistura de hebreu e árabe.

“Bem, falas como um judeu mas pareces mesmo um árabe”, disse a mulher palestina a rir enquanto o acompanhava até à carroça.

A cara de Maria estava contorcida de dores e de medo; as contracções estavam a ser mais frequentes e intensas.

A mulher disse a José que levasse a carroça de volta para um estábulo onde se guardavam as ovelhas e as galinhas. Logo que entraram, Maria gritou de dor e a palestina, a que entretanto se juntara uma parteira vizinha, ajudou rapidamente a jovem mãe a deitar-se numa cama de palha.

E assim nasceu a criança, enquanto José assistia cheio de temor.

Aconteceu que passavam por ali alguns pastores, que regressavam do campo, e ouviram uma mistura de choro de bebé e de gritos de alegria e se apressaram a ir até ao estábulo levando as suas espingardas e leite fresco de cabra, sem saber se iam encontrar amigos ou inimigos, judeus ou árabes. Quando entraram no estábulo e depararam com a mãe e o menino, puseram de lado as armas e ofereceram o leite a Maria que lhes agradeceu tanto em hebreu como em árabe.

E os pastores ficaram estupefactos e pensaram: Quem seria aquela gente estranha, um pobre casal judeu, que chegara em paz com uma carroça com inscrições árabes?

As novas espalharam-se rapidamente sobre o estranho nascimento duma criança judia mesmo junto ao Muro, num estábulo palestino. Apareceram muitos vizinhos que contemplavam Maria, o menino e José.

Entretanto, soldados israelenses, equipados com óculos de visão nocturna, reportaram das suas torres de vigia que cobriam a vizinhança palestina: “Os árabes estão a reunir-se mesmo junto ao Muro, num estábulo, à luz das velas”.

Abriram-se os portões por baixo das torres de vigia e de lá saíram camiões blindados com luzes brilhantes, seguidos por soldados armados até aos dentes que cercaram o estábulo, os aldeões reunidos e a casa da mulher palestina. Um altifalante disparou, “Saiam cá para fora com as mãos no ar ou disparamos”. Saíram todos do estábulo, juntamente com José, que deu um passo em frente de braços virados para o céu e falou, “A minha mulher Maria não pode obedecer às vossas ordens. Está a amamentar o menino Jesus”.

O original encontra-se em http://petras.lahaine.org/articulo.php?p=1831&more=1&c=1 .
Tradução de Margarida Ferreira
Este artigo encontra-se em http://resistir.info/

Os Putos


Uma bola de pano, num charco
Um sorriso traquina, um chuto
Na ladeira a correr, um arco
O céu no olhar, dum puto.

Uma fisga que atira a esperança
Um pardal de calções, astuto
E a força de ser criança
Contra a força dum chui, que é bruto.

Parecem bandos de pardais à solta
Os putos, os putos
São como índios, capitães da malta
Os putos, os putos
Mas quando a tarde cai
Vai-se a revolta
Sentam-se ao colo do pai
É a ternura que volta
E ouvem-no a falar do homem novo
São os putos deste povo
A aprenderem a ser homens.

As caricas brilhando na mão
A vontade que salta ao eixo
Um puto que diz que não
Se a porrada vier não deixo

Um berlinde abafado na escola
Um pião na algibeira sem cor
Um puto que pede esmola
Porque a fome lhe abafa a dor.

José Carlos Ary dos Santos,

São os lucros e não os salários!


No dia seguinte ao chumbo pelo PS, PSD e CDS da proposta do PCP na Assembleia da República que visava a tributação dos dividendos dos grupos económicos, cuja distribuição estes decidiram antecipar de 2011 para 2010 – roubando assim umas centenas de milhões de euros ao Estado –, surgiu com grande estrondo nos principais meios de comunicação social a notícia de que, nos Açores, os salários dos trabalhadores da administração pública regional não seriam alvo de cortes.

As reacções foram as que se esperavam. Na tentativa de fazer esquecer a vergonhosa recusa da proposta do PCP sobre a taxação dos dividendos e de recentrar o debate ideológico no corte nos salários, sucederam-se declarações durante toda a semana.

Desde logo do próprio Presidente da República (e também candidato), que tinha ficado calado perante a golpada dada pelos grupos económicos com a antecipação da distribuição dos dividendos mas que, em relação aos cortes salariais, até a Constituição da República decidiu invocar para exigir a penalização de todos os trabalhadores. Uma declaração, aliás, coerente com uma vida de ataque aos salários quer como primeiro-ministro, quer como Presidente.

Manuel Alegre, também ele candidato à PR, no seu contorcionismo habitual, nuns dias criticou a decisão dos Açores, noutros considerou-a legítima. Enfim, o costume de quem quer andar à chuva sem se molhar.

E no meio desta erupção mediática, onde medram cálculos e oportunismos vários, registe-se ainda a dupla face de BE e CDS. Quem ouviu a deputada do CDS condenar o Governo por permitir a «excepção» aos cortes nos salários não imaginaria que o seu partido se tinha afinal abstido em relação a esta proposta nos Açores. E quem viu os deputados do BE a votar contra esta decisão na Assembleia Legislativa Regional nunca imaginaria que dias depois Francisco Louçã haveria de a defender com tamanha convicção.

Enfim, sobra o claro posicionamento de classe e a respectiva coerência de argumentos do PCP. Que não só esteve contra o corte nos salários como propôs e votou a favor de um apoio compensatório aos funcionários públicos nos Açores. E que não só denunciou a inaceitável manobra dos grupos económicos de fuga o fisco como apresentou uma proposta concreta para impedir tal golpada. Pois sabemos que é nos lucros escandalosos dos grupos económicos e não nos salários que se encontram as razões de tantas injustiças

Vasco Cardoso

O premio Nobel da Paz existe?

Hoje dei por mim a pensar que o Julian Assange ainda ia ganhar o prémio Nobel da Paz, devido a ter divulgado e continuar a divulgar factos concreto do submundo que sustenta o imperialismo, e que muitos fingem não existir; Uns por falta de consciência, outros porque vão ganhando com essa existência, por enquanto é claro.
Mas este pensamento foi rápido, rapidinho…

O prémio Nobel da Paz existe, mas não é para quem não abdica da sua consciência, para submeter-se ao poder do imperialismo, e vender-se ao poder dominante.
Depressa lembrei-me do prémio Nobel da Paz de 2007 que foi atribuído a Al Gore, que todos conhecem, e não é por ser um “grande defensor do meio-ambiente”, tal como foi apelidado para ganhar o prémio; Por causa de uns dispositivos sobre o Aquecimento Global.

Nesse mesmo ano foi candidata Irena Sendler, que muito fez pela humanidade… no entanto perdeu, para alguém que todos conhecemos, pelas piores razões. Ainda para quem tenha dúvidas dos mecanismos que regem a atribuição do Nobel da Paz, deixo aqui um “cheirinho” de quem foi esta grande Senhora Irena Sendler.

Depois digam-me o que é o prémio Nobel da Paz…


Irena Sendler faleceu em 12 de Maio de 2008, com 98 anos Durante a 2ª Guerra Mundial, Irena conseguiu uma autorização para trabalhar no Gueto de Varsóvia, como especialista de canalizações.
Mas os seus planos iam mais além… Sabia quais eram os planos dos nazistas relativamente aos judeus (sendo alemã!).
Irena trazia crianças escondidas no fundo da sua caixa de ferramentas e levava um saco de serapilheira na parte de trás da sua camioneta (para crianças de maior tamanho).
Também levava na parte de trás da camioneta um cão a quem ensinara a ladrar aos soldados nazis quando entrava e saia do Gueto.
Claro que os soldados não queriam nada com o cão e o ladrar deste encobriria qualquer ruído que os meninos pudessem fazer.
Enquanto conseguiu manter este trabalho, conseguiu retirar e salvar cerca de 2500 crianças.

Por fim os nazistas apanharam-na e partiram-lhe ambas as pernas, braços e prenderam-na brutalmente.

Irena mantinha um registo com o nome de todas as crianças que conseguiu retirar do Gueto, que guardava num frasco de vidro enterrado debaixo de uma árvore no seu jardim.

Depois de terminada a guerra tentou localizar os pais que tivessem sobrevivido e reunir a família.
A maioria tinha sido levada para as câmaras de gás. Para aqueles que tinham perdido os pais ajudou a encontrar casas de acolhimento ou pais adoptivos.

Ver Irene Sendler na pt.wikipedia

Por isso, Sr. Julian Assange não tenha pena de não ganhar o prémio Nobel da Paz.
Mas se tiver mesmo interessado em ganhar tal prémio, arranje uns documentos – não importa que sejam forjados – a dizer mal do governo Chinês, Venezuelano, Cubano, e outros parecidos.

Assim irá ganhar o prémio, de certeza…